Bornhausen tenta interromper depoimento de procurador

O presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), pediu à CPI mista do Banestado que interrompa o depoimento do procurador da República Luiz Francisco de Souza por acreditar que as calúnias lançadas por ele contra políticos afrontam o Senado. Em um discurso inflamado, Bornhausen afirmou que não aceita mais as acusações do procurador. Luiz Francisco, segundo ele, insiste nelas, mesmo existindo provas contundentes de que não procedem as acusações de que teria movimentado recursos pelas contas CC-5.O procurador tentou intervir, mas Bornhausen, duro, mandou Luiz Francisco "calar a boca". "Eu tenho a palavra", disse. "O que o procurador faz aqui é desconhecer o encaminhamento de uma investigação para acabar com a honra alheia com acusações levianas e irresponsáveis", afirmou. Para o presidente do PFL, a CPI faria melhor se providenciasse um exame de sanidade mental no procurador Luiz Francisco. "Ele não honra o Ministério Público. Essa é a verdade. Quero deixar aqui o meu protesto contra a continuidade no Congresso de quem não tem palavra, não tem honra e não merece estar no Senado". Luiz Francisco pediu a palavra para se defender, mas o presidente da Comissão, senador Antero Paes de Barros, decidiu suspender a sessão por cinco minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.