Bornhausen se encontra com Maia, mas PFL pode ficar com PSDB

O presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), tem encontro marcado, hoje, no Rio de Janeiro, com o prefeito da capital, Cesar Maia. Depois de o Supremo Tribunal Federal ter decidido, ontem, que a regra da verticalização das coligações partidárias ainda será aplicada às eleições gerais de outubro deste ano, Bornhausen ouvirá a definição de Maia sobre a possibilidade de ele se candidatar à Presidência da República pelo PFL.Dirigentes nacionais do partido apostam que o prefeito carioca desistirá da candidatura. Como a verticalização limita as alianças nos Estados, proibindo coligações entre partidos que são adversários na disputa presidencial, a cúpula pefelista avalia que o melhor caminho é seguir a tendência natural da aliança com o PSDB.Maia deverá ser, portanto, a primeira vítima da decisão do STF. Com sua desistência, ficará fortalecida a idéia de o PFL repetir a parceria também para o governo de São Paulo. Em vez de lançar candidatura própria de Guilherme Afif a governador, o PFL vai trabalhar para compor chapa com José Serra (PSDB), certo de que a vantagem que as pesquisas eleitorais dão ao tucano será argumento mais do que suficiente para faze-lo deixar a prefeitura nas mãos do vice-prefeito pefelista Gilberto Kassab e se lançar na briga contra o PT pelo governo estadual.Da mesma forma, está acertada a parceria PFL/PSDB em Pernambuco, onde o atual vice-governador, Mendonça Filho, será o cabeça-de-chapa para o governo, numa composição com o PSDB.

Agencia Estado,

23 de março de 2006 | 12h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.