Bornhausen nega ter feito remessa ilegal de dinheiro

O presidente nacional do PFL, Jorge Bornhausen, respondeu por meio de uma nota oficial, às denúncias publicadas contra ele na revista Época desta semana, afirmando que "nunca possuiu e nem possui conta-corrente ou fez qualquer movimentação bancária, no Brasil ou no exterior, com o Banco do Estado do Paraná (Banestado)".Na nota, Bornhausen nega ainda que tenha conta-corrente ou tenha realizado qualquer tipo de operação financeira com o Banco Araucária. O presidente do PFL anunciou também que vai tomar "todas medidas judiciais cabíveis" em relação à reportagem. A reportagem publicada na revista informa que delegados da Polícia Federal encontraram o nome de Bornhausen, quando faziam investigações sobre um esquema de remessa ilegal de R$ 12 bilhões do Brasil para o exterior, por intermédio das contas CC-5, normalmente usadas por doleiros e sonegadores para remeter dinheiro sem pagar impostos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.