Bornhausen diz a Aécio para se aliar a Kassab

Braço direito de prefeito no PSD recomenda aproximação com nova geração política

Christiane Samarco, de O Estado de S. Paulo

04 de maio de 2011 | 23h00

BRASÍLIA - O ex-presidente do DEM e braço direito de Gilberto Kassab na articulação do novo PSD, Jorge Bornhausen, aconselhou o senador Aécio Neves (PSDB) a buscar uma interlocução direta com o prefeito para viabilizar seu projeto eleitoral em 2014. Os dois conversaram no interior de Minas Gerais nesta semana.

 

A avaliação no PSD é que Aécio, hoje, está no primeiro lugar da fila de candidatos tucanos à Presidência. Bornhausen vê espaço para o PSD apoiar o tucano. Ele e Aécio conversaram informalmente em duas oportunidades. Depois de participarem de um jantar na noite de segunda-feira em Uberaba, na casa do deputado Marcos Montes (DEM-MG), ainda almoçaram juntos na casa de outro amigo em comum no dia seguinte.

 

Um parlamentar que testemunhou os dois encontros e observou a dupla relata ter se deparado com um Aécio "paz e amor" em relação ao PSD. Não por generosidade, observa ele, mas por inteligência política, dada a inconveniência de combater algo que evoluíra da simples ideia de se criar um novo partido para um fato consumado.

 

Na conversa, Bornhausen falou que o PSD era resultado de uma mudança geracional que está se dando no cenário político partidário e arriscou uma sugestão: "Você tem que abrir a porta dos que são da sua geração. Tem que preparar o terreno para a frente e conversar com o Eduardo Campos (governador de Pernambuco e presidente do PSB), com o Sérgio Cabral (governador do Rio de Janeiro, do PMDB), com Eduardo Paes (prefeito da capital fluminense, também do PMDB), e com Kassab".

 

A cúpula do futuro PSD entende que, quando se fala em nova geração da política, fala-se em tanto em Aécio quanto em Kassab e também defende a interlocução direta entre os dois.

 

Nos encontros, ficou claro para os parlamentares do PSD que por lá passaram que Aécio não está disposto a patrocinar nenhum tipo de ataque ao novo partido. Quer conviver e dialogar, ainda que o novo partido não seja seu parceiro preferencial, lugar já ocupado pelo DEM.

 

Embora a conversa com Bornhausen fosse uma forma de se aproximar do novo PSD, a expectativa de dirigentes do DEM era a de que a articulação também fosse útil a eles. Tanto é assim, que o encontro foi marcado na sexta-feira passada, com a ajuda do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de quem Bornhausen foi ministro.

 

Àquela altura, o DEM queria que Aécio aproveitasse a oportunidade para tentar convencer Jorge Bornhausen a intervir em favor da permanência do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, na legenda. Acabaram todos atropelados pelo anúncio da troca da legenda, horas antes do jantar com Aécio.

Mais conteúdo sobre:
PSDAécioBornhausen

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.