Bornhausen critica anistia de dívidas concedida pelo Brasil

O presidente do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), chamou a anistia de dívidas concedidas pelo Brasil a países da África de "mensalão", em seminário de política externa promovido pelo partido no Rio. "Essa volúpia de querer assento no Conselho de Segurança da ONU levou o presidente da República a anistiar uma série de dívidas, mesmo sem audiência prévia no Senado Federal. É um mensalão para conseguir votos para entrar no Conselho de Segurança", disse Bornhausen, depois, em entrevista.AzambujaO embaixador Marcos Azambuja, em sua palestra no seminário, defendeu que o Brasil dê prioridade apenas à América Latina, região na qual está inserido, e trate as demais regiões com a mesma importância, deixando de ver a África como prioridade.Segundo Azambuja, essa prioridade parece ser arbitrária e com aquele continente os níveis de comércio são menores do que com os demais. O embaixador defendeu, em relação à Bolívia, uma relação "eficaz e pragmática", que preserve os valores e interesses comerciais do País e afirmou que o Brasil é parceiro dos países vizinhos da América do Sul, "mas não é interlocutor solidário de governantes cujas agendas não nos dizem respeito e eventualmente nos causam embaraço", referindo-se à Bolívia e também à Venezuela. O embaixador declarou que o Brasil não soube aproveitar "os três melhores anos no cenário internacional dos últimos 30 anos". Foi uma referência ao baixo crescimento do País em relação ao mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.