Borges diz que amizade não facilitou negócios com a Sudam

O empresário José Osmar Borges, 42anos, apontado como notório fraudador da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), admite que fez umatransação comercial com o ex-superintendente da autarquia, José Arthur Guedes Tourinho, da ordem de R$ 70 mil, na compranão consumada de um sítio em Belém (PA).Entretanto, segundo o empresário, a amizade com o ex-superintendente da Sudam não facilitou a liberação de seus recursospara seus seis projetos entre 1991 e 2000."Quando eu conheci esse cidadão, ele tinha problema de recursos financeiros comoqualquer cidadão comum. Aí ele disse: ´Olha, eu tenho um sítio nos arredores de Belém e estou precisando negociar comurgência porque eu estou dependendo de recursos´. Eu, por ser amigo, fui, visitei, gostei do sítio dele, fiz a aquisição do sítio.Essa aquisição foi combinada a ser feita com pagamentos parcelados. Os cheques e recibos eram nominais a esse cidadão.Todos os cheques eram nominais a ele", disse Borges.Segundo Borges, esses depósitos foram feitos em datas anteriores a ele ser superintendente da Sudam. O empresário revelaque amealhou um patrimônio estimado em R$ 200 milhões nos últimos dez anos graças aos incentivos fiscais da autarquiasubmetida ao Ministério da Integração Nacional.Há dez anos ele diz que era pobre no interior de Goiás. A partir de 1991, noentanto, começou a executar seis projetos nas áreas têxtil e de agroindústria e virou alvo de um maiores escândalos ocorridos nosúltimos anos no País.O empresário também admite relações com o senador Jader Barbalho (PMDB-PA). Jader disse que foi apresentado a Borgesno casamento da filha do senador Carlos Bezerra (PMDB-MT). O empresário diz o contrário: "Conheci o senador Jader Barbalhona Agropecuária Campo Maior".No entanto, Borges também nega que a amizade com políticos como o senador Jader Barbalhotenha facilitado a liberação de recursos da Sudam para seus projetos que estão sendo executados."Na verdade, quando eu conheci o senador Jader Barbalho, ele estava no final de mandato dele para governador do Estado doPará, em 94. Neste momento eu já tinha três projetos implantados, ou seja, prontos, e um no finalzinho para ser implantado",disse Borges.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.