Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Bonifácio de Andrada é escolhido como relator da segunda denúncia na CCJ

Escolha de Rodrigo Pacheco, presidente da comissão, é feita mesmo após PSDB pedir que relatoria não ficasse nas mãos de nenhum tucano

Igor Gadelha e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2017 | 16h35

BRASÍLIA - O presidente da Comissão de Constituição (CCJ) da Câmara, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), confirmou nesta quinta-feira, 28, Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) como relator da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência). A informação foi antecipada mais cedo pelo Broadcast Político. 

+++Relator vem de família que está no Congresso desde a Proclamação da República

+++ Tucanos estão mais alinhados em 2ª acusação

Andrada tem 87 anos, é advogado e está no décimo mandato consecutivo como deputado federal. Aliado do senador Aécio Neves (MG), o deputado faz parte da ala do PSDB que defende a permanência do partido no governo. Na primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, o tucano votou para barrar a investigação contra o presidente da República.

A escolha de Andrada deve desagradar a liderança do PSDB. O líder do PSDB na Câmara, deputado Ricardo Tripoli (SP), chegou a pedir formalmente a Pacheco que nenhum de seus liderados fosse escolhido relator da segunda denúncia contra Temer. O mesmo pedido foi feito por Aécio, presidente licenciado do PSDB e que está afastado do mandato por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). 

O coordenador da bancada do PSDB na comissão, Betinho Gomes (PE), também pediu a Pacheco que a relatoria não ficasse nas mãos de nenhum tucano. Como o partido se dividiu na primeira votação, quer evitar repetir o constrangimento que ocorreu quando Paulo Abi Ackel (PSDB-MG) assinou relatório que absolveu Temer, se alinhou ao Planalto e expôs a divisão interna. 

Na entrevista em que anunciou o relator, Pacheco admitiu que foi procurado pelo líder do PSDB, mas disse que Andrada está "acima" dessas questões. "Tenho certeza que PSDB haverá de ficar contente com a decisão", afirmou. Ele também minimizou o fato de Bonifácio ter votado a favor de Temer na primeira denúncia. "É uma nova realidade e confio muito na decência e na experiência do deputado Bonifácio", disse.

Pacheco admitiu que chegou a sondar outros deputados para a relatoria, entre eles, Evandro Gussi (PV-SP), Ronaldo Fonseca (PROS-DF) e Marcos Rogério (DEM-RO). Os três, porém, informaram que não tinham interesse no posto. No caso de Rogério, a líder do DEM,  Efraim Filho (PB), também procurou o presidente da CCJ para pedir que não escolhesse nenhum deputado do partido como relator. 

+++ RELEMBRE: VOTAÇÃO DO RELATÓRIO DE ABI-ACKEL NA CCJ 

É a segunda vez, portanto, que a relatoria da denúncia cai nas mãos de um tucano mineira. Após a maioria da CCJ recusar o relatório de Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) foi escolhido para relatar a acusação e aconselhou seu arquivamento. 

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.