Boni, MV Bill e mais 13 fazem parte do conselho da TV Pública

Lula aprovou os 15 integrantes do grupo e tentou mostrar que programação não terá caráter partidário

Leonencio Nossa, da Agência Estado, e Tânia Monteiro, do Estadão,

26 de novembro de 2007 | 19h35

Um ministro dos anos da repressão, uma carnavalesca que ganhou cinco campeonatos de escolas de samba, um cantor de rap, uma médica e um ex-homem forte da Rede Globo formam o conselho curador da nova TV Pública. Ao aprovar os 15 integrantes do grupo nesta segunda-feira, 26, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tentou mostrar que a programação da emissora não terá caráter partidário. "Não é uma TV do Lula ou da oposição", afirmou o ministro de Comunicação Social, Franklin Martins.   Principal articulador da criação da TV Pública, o ministro se irritou ao ser questionado pela imprensa sobre a inclusão na lista do nome do ex-ministro da Fazenda Delfim Netto, que participou da reunião que aprovou na noite de 13 de dezembro de 1968 o AI-5, o ato que acabou com direitos civis, radicalizou a censura e mergulhou o País numa ditadura completa. "Os tempos são outros", afirmou Martins, que à época combateu o regime militar. "Não vai ser o Estadão que vai me dar lição de democracia."   Franklin Martins disse que o conselho é plural e representa diferentes setores e regiões. "É um ótimo conselho representativo, absolutamente plural", avaliou. A uma pergunta se a composição do grupo foi uma resposta do governo aos que especulam que a nova TV terá caráter partidário, o ministro respondeu que o presidente já negou essa hipótese diversas vezes. "O governo sempre disse que a TV não é a TV do Lula, mas não adianta, alguns setores têm dificuldades de entrar no debate."   O ministro disse que TV Pública começará a ser "percebida" em meados de março. A nova emissora vai juntar as grades da TVE e da TV Nacional. O Orçamento Geral da União em 2008 prevê R$ 350 milhões para a emissora. "A TV Pública será semelhante ao que existe nos Estados Unidos e na Europa", o ministro Franklin Martins. A Medida Provisória que cria a TV Pública ainda não foi votada pelo Congresso.   Veja a lista dos "fiscais" da TV Pública:   - Cláudio Lembo, ex-governador de são Paulo;   - Delfim Netto, ex-ministro e ex-deputado;   - José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, empresário;   - Rosa Magalhães, artista plástica e carnavalesca;   - Angela Gutierrez, empresária;   - Ima Vieira, museóloga;   - Isac Pinhata, professor indígena;   - José Martins, engenheiro e empresário;   - José Paulo Cavalcanti Filho, advogado e especialista em legislação de imprensa;   - Lúcia Braga, diretora da Rede Sarah de hospitais;   - Luiz Edson Fachin, professor da Universidade Federal do Paraná;   - Luiz Gonzaga Beluzzo, professor da Unicamp;   - Maria da Penha Maia, biofarmacêutica. É a cearense que inspirou a lei que aumenta as punições para agressões ás mulheres;   - MV BILL, cantor; e   - Wanderley Guilherme dos Santos, filósofo.   Além dos representantes da sociedade, o conselho ainda será integrado pelo próprio Franklin Martins, e pelos ministros Fernando Hadad (Educação), Gilberto Gil (Cultura) e Sérgio Rezende (Ciência e Tecnologia).

Tudo o que sabemos sobre:
TV Pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.