Bombeiros dizem ser cada vez mais difícil encontrar padre

Bombeiros envolvidosnas buscas ao padre Adelir Antonio de Carli disseram nestaquarta-feira ser cada vez mais difícil encontrá-lo com vida ejá começam a duvidar se algum dia encontrarão o corpo dosacerdote, desaparecido há três dias ao realizar um vôo combalões de festas no litoral do Paraná e de Santa Catarina. "O tempo passa e fica difícil a sobrevida (no mar)", disseà Reuters por telefone o comandante do Corpo de BombeirosVoluntários de São Francisco do Sul (SC), Alfredo Moraes deAraújo Jr. "Também fica cada vez menor a chance de encontrar ocorpo, mas nós vamos continuar tentando." Além das buscas na água, bombeiros, marinha e policiaismilitares fizeram buscas em regiões próximas a ilhas e tambémregiões de mata fechada próximas à cidade de Penha (SC), alémdas efetuadas com barcos e helicópteros. "Procuramos por terra, em costões e áreas de mata, e nãoencontramos nenhum vestígio", disse por telefone Paulo EduardoNeves, subcomandante operacional dos Corpo de BombeirosVoluntários de Penha. "Está ficando difícil, mas ainda temosesperança." Nesta quarta-feira, uma equipe esteve na ilha deTamboretes, próximo ao município de Barras do Sul, onde,acredita-se, o padre teria feito o último contato antes desumir. Nenhum vestígio do sacerdote foi encontrado nas buscasrealizadas durante todo o dia. Os bombeiros não souberam precisar a área vasculhada, masas equipes chegaram a um atracadouro de navios petroleiros daPetrobras, a cerca de 40 quilômetros da costa catarinense e 120quilômetros ao sul de onde o padre fez contato pela última vez. BETO CARRERO Barcos da marinha continuarão procurando pelo sacerdotedurante a noite. Desde segunda-feira, os esforços contam com aajuda de pescadores locais e de uma barco pesqueiro cedido peloparque Beto Carrero World, no município de Barras. O parque também cedeu um helicóptero para ajudar nastentativas de resgate. O padre de Carli partiu em seu vôo incomum na manhã dedomingo, saindo de Paranaguá (PR), e fez o último contato nanoite do mesmo dia, por um telefone celular. De Carli, que pretendia rumar ao interior do Estado, foiempurrado para alto-mar por uma mudança nos ventos. Naterça-feira, a marinha localizou uma parte dos balões coloridosa cerca de 150 quilômetros ao sul, no Estado de Santa Catarina. O padre, de 42 anos, pretendia arrecadar fundos para aPastoral Rodoviária da cidade de Paranaguá, que prestaassistência a caminhoneiros. "Com certeza, temos muita esperança que ele apareça.Encontraram cerca de 50 balões, mas ainda há muitos, eram mil",disse por telefone Eliana Aparecida dos Santos, assistente dapastoral. Antes de sua tentativa de quebrar o recorde de 19 horas depermanência no ar com balões, que atualmente pertence a umnorte-americano, o sacerdote realizou uma prova em janeiro,partindo de Ampére, no Paraná, e pousando em territórioargentino, após 4 horas e 15 minutos de vôo. (Reportagem de Fabio Murakawa, em São Paulo, e JulioVillaverde e Raymond Colitt, no Rio de Janeiro)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.