AP Photo/Ariel Schalit
AP Photo/Ariel Schalit

Bombardeios em Aleppo atingem caminhões de ajuda humanitária e matam 12

Após fim de cessar-fogo, aviões russos e do governo sírio atacaram posições rebeldes na cidade

O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2016 | 18h48

DAMASCO - Os bombardeios lançados sobre Aleppo nesta segunda-feira (19) atingiram caminhões de ajuda humanitária do Crescente Vermelho Sírio, poucas horas depois de o Exército de Damasco ter declarado o fim da trégua - informou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Ao menos 18 dos 31 veículos da entidade foram atingidos. Ao menos 12 pessoas morreram. 

 A trégua na Síria ficou fragilizada no sábado pelos ataques da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra o exército sírio na região de Deir Ezor, leste do país, que mataram pelo menos 90 militares.

 

Ao longo do dia de ontem, houve relatos de ataques aéreos em Aleppo. Aviões de guerra sírios ou russos bombardearam áreas controladas pelos rebeldes na cidade de Aleppo e vilas próximas, disse o grupo de monitoramento Observatório Sírio para os Direitos Humanos, relatando um número de mortos e feridos.

Os ataques ocorreram no que é provável a última tentativa do governo do presidente dos EUA, Barack Obama, de encontrar uma solução negociada para a guerra civil de mais de cinco anos parece próxima do colapso.

Assad.  O presidente sírio, Bashar al-Assad, classificou nesta segunda-feira o ataque mortal da coalizão liderada pelos Estados Unidos contra suas forças em Deir Ezzor (leste da Síria) durante o fim de semana como uma "agressão flagrante americana".

"Cada vez que o Estado sírio avança em terra no processo de reconciliação nacional, os Estados que nos são hostis aumentam seu apoio às organizações terroristas", afirmou.

"O último exemplo é a agressão flagrante americana a uma posição do exército sírio em Deir Ezzor, em benefício do grupo terrorista Daesh (acrônimo em árabe do grupo extremista Estado Islâmico)", destacou Assad, segundo a agência oficial Sana./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.