Bomba explode na casa do prefeito do Embu

Uma bomba explodiu pouco depois das 4 horas da madrugada na casa do prefeito do Embu das Artes, Geraldo Cruz, do PT. A bomba teria sido lançada na varanda superior do sobrado e destruiu a porta do quarto onde o prefeito dormia com a esposa, além de derrubar parte da laje da garagem da casa. O casal sofreu ferimentos leves, ao ser atingido pelos estilhaços, mas a explosão não teve consequências mais graves. Geraldo vem tendo uma atuação política polêmica desde 1999, quando era vereador pelo PT e fez denúncias contra o ex-prefeito e outros veradores daquele município, o que resultou no afastamento de 18 de seus pares. Desde então passou a sofrer ameaças de morte e, durante um período, recebeu proteção policial.Eleito no ano passado, desde que assumiu a prefeitura tem descontentado o que chama de "grupos priveligiados pela gestão anterior", entre eles perureiros e taxistas. "Meu antecessor vendia placas de táxis, inclusive para profissionais de São Paulo. Aqui havia casas que tinham até 26 táxis. Iniciamos um processo que resultou no cancelamento de 157 táxis", explica Geraldo. A limitação do número de peruas que poderão realizar o trabalho de lotações também incomodou a grande quantidade de clandestinos daquela cidade.Ele não acusa diretamente os taxistas nem os perueiros das ameaças que vem recebendo por carta ou de outras maneiras, nem tampouco do atentado sofrido nesta madrugada. Mas como estes fazem parte dos grupos descontentes com sua administração suspeita que tenham alguma relação com esses fatos."Nesta semana, um conhecido me procurou, dizendo que ouviu em um bar uma conversa de que iriam me matar. Ando com segurança particular, mas nem tudo dá para ser evitado", conclui. O prefeito vive naquele sobrado com a mulher e uma filha, que dormia no quarto ao lado e não foi ferida pela explosão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.