Valter Campanato/Agência Brasil 3/2/2020
Valter Campanato/Agência Brasil 3/2/2020

Bolsonaro volta a atacar Doria e Witzel: 'Me elegeram como alvo. Não estou preocupado'

Presidente da República diz que governadores visam possível disputa para a Presidência em 2022

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2020 | 13h21

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro criticou os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), na manhã desta quinta-feira, 6. Segundo Bolsonaro, os dois governadores o colocaram como "obstáculo" para uma possível disputa à Presidência em 2022. "Me elegeram como alvo. 'Tenho que derrotar esse cara. Se ele vier candidato, vai ele e o PT para o segundo turno... e aí estamos fora'", disse o presidente na saída do Palácio da Alvorada.

Bolsonaro reagiu à declaração de Doria de que a postura de desafiar governadores sobre mudanças na regra do ICMS é populista. "Dois governadores que estão me criticando. Isso não é populismo, é vergonha na cara. Ou você acha que o povo está numa boa? Está todo mundo feliz da vida com o preço do gás, com o preço da gasolina, com o preço do transporte?", questionou.

Ele também voltou a reclamar que o governador de São Paulo usou o seu nome na última campanha estadual, e depois se posicionou contra ele. "Ele usou o BolsoDoria o tempo todo. Estava pau a pau com o França (França, então candidato ao governo do Estado pelo PSB). Fui útil até aquele momento", reclamou. O presidente já havia reclamado disso em entrevista exclusiva ao Estado publicada nesta quinta-feira.

Ao falar de Witzel, Bolsonaro ironizou a crise da água da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (CEDAE). "Em vez de mostrar o serviço deles... pergunta para o Witzel como é que está a água do Rio de Janeiro. Alguém quer tomar um copo de água do Rio de Janeiro aí? Agora botaram detergente na água, olha que coisa linda. Agora, problema dele, eu não vou dar pancada nele. Ele que tem que resolver", disse Bolsonaro.

O presidente citou a possibilidade da abertura de uma CPI na Assembleia Legislativa para investigar os problemas com a qualidade da água. "Parece que tem uma CPI tomando forma lá na Assembleia Legislativa? A CPI não tem que ser para perseguir governador, tem que perseguir a verdade. O que aconteceu com a CEDAE? Houve loteamento? Houve negligenciamento?", indagou.

Bolsonaro disse, ainda, que é "diferente" de outros políticos e que, perto deles, "é miserável". "Eu sei que eu sou um cara diferente de alguns políticos que temos no Brasil. Eu sou um cara pobre, miserável, pô. Se bem que eu sou mais rico que 98% da população. Eu sei disso, mas perto desses caras eu sou pobre e parece que meu cheiro não faz bem para eles. Minha plumagem é diferente da deles. Façam sua parte, se dediquem."

O governador do Rio Wilson Witzel foi procurado, mas não quis se manifestar. A reportagem entrou em contato com a assessoria do governador paulista João Doria e aguarda um retorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.