DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro, vacinas e simbiose com Centrão tragam militares para o olho do furacão

Dominghetti conseguiu uma verdadeira façanha, ontem, na CPI: ser pressionado por todos os lados

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2021 | 03h00

Há muitas suspeitas sobre a entrada em cena e a dubiedade do policial militar Luiz Paulo Dominghetti, que, de santo, não tem nada, mas uma coisa fica absolutamente clara: a simbiose entre militares e Centrão, particularmente no Ministério da Saúde, em meio a uma pandemia devastadora, joga o Exército e as próprias Forças Armadas, desnecessariamente, no meio do furacão. 

Em meio a tantos picaretas, ou nomes duvidosos, como Roberto Dias, Francisco Maximiano, Luiz Miranda, o próprio Dominghetti e seu mentor “Cristiano”, lá estão, ora na CPI, ora na mídia, oficiais como Marcelo Blanco, Alexandre Martinelli e Roberto Criscioli, além de Eduardo Pazuello (da ativa) e Elcio Franco. Tenham ou não o que esconder, seria muito melhor para as Forças Armadas e o País que eles estivessem a léguas de distância de tudo isso. 

Dominghetti conseguiu uma verdadeira façanha, ontem, na CPI: ser pressionado por todos os lados. Pelos governistas, por ter reafirmado o pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina, que lhe teria sido feito por Roberto Dias. Pela oposição e pelos independentes, por ter usado o depoimento para plantar um áudio e tentar desqualificar o deputado Luis Miranda, que detonou o esquema da Covaxin e jogou a bomba no colo do próprio Bolsonaro. 

Num enredo de filme de espionagem, Dominghetti foi apenas usado contra Miranda, ou é parte de uma sofisticada ação de contrainformação de uma espécie de “Abin paralela”? A dúvida é justa, até pelas origens dele: policial militar, bolsonarista, com coleção de processos e contatos na capital da República. Pau para toda obra. E ele não parece idiota e se expressa bem. 

Para o senador e ex-delegado Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Dominghetti foi apenas usado para detonar Luis Miranda. Não foi uma ação de inteligência, mas de “quem se acha muito esperto”, e resumiu: “uma operação Uruguai, ou Tabajara”, numa referência à patetada para livrar Fernando Collor do impeachment. 

O marco dessa nova fase da CPI foi a Covaxin, pois é muito suspeito o governo atacar a Coronavac, desprezar a Pfizer e acertar o lote mínimo da Covax Facility, mas sair em desabalada carreira para fechar negócio com a Covaxin com nota fiscal para uma offshore em paraíso fiscal. E jogou luzes sobre o Departamento de Logística do Ministério da Saúde, dirigido por Roberto Dias. 

A Covaxin foi o fio do novelo, puxando as histórias da Davati, da Sputnik e da Convidecia, da China, com o mesmo enredo: vacinas não reconhecidas pela Anvisa, com preços exorbitantes e representantes esquisitões no Brasil. Dias é acusado de pressionar subordinados para fechar rapidinho, e a qualquer custo, com a Covaxin e de pedir bilhões de reais em propina a Dominghetti e à Davati. 

Com tantas vacinas, empresas, nomes, a CPI inverteu a pauta para ouvir o tal Dominghetti, policial militar da ativa em Minas que arranja tempo para sair oferecendo vacinas por aí, ser representante “informal” de uma empresa americana e ser alvo de dezenas de processos, por dar canos em aluguéis e compras de carros ou por indisciplina. 

E a Davati também tem muito a explicar. Quer vender 400 milhões de doses, mas seu portfólio nem sequer cita vacinas e oferecia a AstraZeneca, que só negocia diretamente com governos e entidades oficiais e já tinha, inclusive, acordo com o Brasil, via Fiocruz.

O Planalto comemorou cedo demais o “desmanche” duplo, de Miranda e do próprio Dominghetti. Se a “Operação Uruguai” foi um fracasso para salvar o pescoço de Collor em 1992, imaginem hoje, com internet, tempo real, quebra de sigilo telemático... Se o governo estava frito antes do depoimento de Dominghetti, continua frito depois. E tragando militares para a frigideira.

*COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.