Jair Bolsonaro/Twitter
Jair Bolsonaro/Twitter

Bolsonaro tem melhora clínica progressiva e recebe alta de semi-intensiva, diz boletim

Documento do Hospital Albert Einstein também atestou suspensão da alimentação pela veia e início de 'dieta leve'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2019 | 17h33

Duas semanas após uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia, o presidente Jair Bolsonaro apresentou melhora "progressiva" e recebeu alta da terapia semi-intensiva do Hospital Albert Einstein, diz boletim médico divulgado pela instituição nesta segunda-feira, 11. Além disso, o presidente começou a se alimentar com uma "dieta leve" e foi suspensa a nutrição que recebia pela veia. Está mantido um suplemento nutricional.

Até então, Bolsonaro estava recebendo apenas alimentação cremosa. A evolução da dieta é uma das condições para alta do presidente. De acordo com o boletim, ele não apresenta dor ou febre e segue com melhora do quadro pulmonar após ter sido diagnosticado com pneumonia na semana passada.

"Estão sendo mantidas as medidas de prevenção de trombose venosa, realizados exercícios respiratórios, de fortalecimento muscular e períodos de caminhada fora do quarto. Por ordem médica, as visitas permanecem restritas", atesta o boletim. Nesta segunda-feira, 11, no entanto, Bolsonaro recebeu o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para uma conversa de aproximadamente 20 minutos. O secretário de Segurança Pública de São Paulo, João de Campos, também visitou o presidente. 

Os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Fernando Azevedo e Silva (Defesa) estiveram presentes no hospital nesta segunda e despacharam com o presidente ao longo dia, afirmou a assessoria de imprensa do Planalto.

As visitas de Doria e Campos foram "de cortesia", afirmou em Brasília o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros.

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.