Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Bolsonaro tem alta prevista para meio-dia deste sábado

Movimentação de apoiadores do presidenciável do PSL é grande em frente ao Albert Einstein

O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2018 | 11h30

A alta hospitalar do presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, prevista para ocorrer ao meio-dia deste sábado, 29, já movimenta a portaria do hospital Albert Einstein, reunindo simpatizantes do candidato, policiais e imprensa, na capital paulista, onde ele está internado desde o dia 7, um dia depois de sofrer um atentado a faca em evento de campanha em Juiz de Fora.

Antes da alta, o capitão da reserva, que lidera as pesquisas eleitorais, voltou a usar as redes sociais e, pelo Twitter, postou mensagem com críticas ao PT. Em outro post, destacou que o País está na lama por conta de um sistema falido decorrente de acordos corruptos, mas que sua liderança nessa corrida presidencial o deixa próximo de mudar essa realidade.

Bolsonaro e o ambiente que envolve a eleição presidencial conseguiram transformar a entrada do hospital Albert Einstein numa pequena Babel, onde os diversos idiomas se misturam e se confundem. O pequeno espaço reservado à imprensa na lateral da entrada principal do Albert Einstein está sendo disputado palmo a palmo pelos repórteres, fotógrafos e cinegrafistas de veículos de comunicação de várias partes do mundo.

É grande também o número de viaturas policiais e de motocicletas da Policia em prontidão para fazer a escolta do candidato do PSL até ao Aeroporto de Congonhas, onde embarca para o Rio de Janeiro. Alguns militantes trajando camisetas com fotografias do capitão do Exército também começam a se reunir na frente do hospital. Mas o clima, apesar de agitado, é pacifico.

Tensão. A própria campanha de Bolsonaro protagonizou nas duas últimas semanas momentos de tensão que demandaram a intervenção do candidato mesmo do leito hospitalar. No primeiro, o economista Paulo Guedes, guru econômico do candidato, sinalizou em uma entrevista que poderia reeditar a Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF). Os adversários reagiram e Bolsonaro desmentiu Guedes pelas redes sociais.

Depois, foi a vez do candidato a vice, General Mourão, dizer que filhos de classes mais baixas criados em lares sem pai, apenas por mães e avós, eram uma fábrica de desajustados. E, nesta semana, o general voltou à carga, criticando o pagamento de 13º salário e do abono de férias aos trabalhadores brasileiros. Mais uma vez, o capitão da reserva voltou às redes sociais, para desautorizar Mourão, dizendo que os críticos dos direitos trabalhistas, que são cláusula pétrea, desconhecem a própria Constituição do País.

Nesta sexta-feira, foi a vez do próprio Bolsonaro lançar de novo suspeição sobre as urnas eletrônicas e questionar a legitimidade do resultado dessas eleições, caso ele não seja eleito, em entrevista à TV Bandeirantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.