Adriano Machado/Reuters - 11/2/2022
Adriano Machado/Reuters - 11/2/2022

Bolsonaro sobre caso da licitação de ônibus com preço inflado: Deixa acontecer, pô

Em live, presidente diz que jornalistas são "sem vergonha" e alega que governo está monitorando as licitações

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2022 | 20h25

BRASÍLIA. O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou as reportagens do Estadão que revelaram uma licitação, preparada pelo governo, para tentar comprar 3.850 ônibus escolares com risco de sobrepreço de mais de R$ 700 milhões, mesmo após alertas de órgãos técnicos, como a Controladoria Geral da União (CGU). “Deixa acontecer a licitação, pô”, declarou o presidente em transmissão ao vivo nas redes sociais.

Sob ameaça de ter a licitação cancelada, o governo recuou após as reportagens e reduziu as cotações dos veículos na véspera do pregão. A licitação dos ônibus foi realizada na última terça-feira, 5, mas ficou em R$ 500 milhões a menos do que o governo estava disposto a pagar quando os preços estavam superestimados. O pregão foi embargado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Bolsonaro atacou os jornalistas que revelaram o risco de sobrepreço na licitação dos ônibus.

“‘Ah, é fruto do jornalismo investigativo’. Investigativo pipoca nenhuma, rapaz. Bando de sem vergonha, jornalistas. Não investigam nada”, afirmou em transmissão ao vivo nas redes sociais. 

Como revelou o Estadão, o governo, por meio de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), aceitou pagar até R$ 480 mil por um ônibus que deveria custar no máximo R$ 270,6 mil. O órgão é presidido por Marcelo Ponte, que chegou ao cargo por indicação do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, cacique do Centrão e considerado um superministro do governo Jair Bolsonaro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.