Adriano Machado/Reuters - 7/9/2020
Adriano Machado/Reuters - 7/9/2020

Bolsonaro tem alta após cirurgia para retirar cálculo da bexiga

Segundo equipe médica, o presidente teve 'ótima evolução clínica', sem intercorrências

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

26 de setembro de 2020 | 09h50
Atualizado 26 de setembro de 2020 | 14h06

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta no começo da tarde deste sábado, 26, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Na manhã de sexta-feira, Bolsonaro se submeteu a uma cirurgia para a retirada de um cálculo da bexiga.

Em boletim médico divulgado às 9 horas deste sábado, a equipe médica informou que havia retirado a sonda vesical do presidente.  "O excelentíssimo presidente da República Jair Bolsonaro segue com ótima evolução clínica e sem complicações cirúrgicas. Não apresenta sangramentos e está afebril. Foi retirada a sonda vesical para que ele urine espontaneamente. O paciente está recebendo hidratação oral e caminhando fora do quarto", dizia o informe assinado pelos médicos Leandro Santini Echenique, Leonardo Lima Borges e Miguel Cendoroglo. 

Esta é a sexta cirurgia pela qual Bolsonaro passa desde que levou uma facada durante a campanha presidencial no dia 6 de setembro de 2018.  Segundo o próprio presidente, a retirada do cálculo não está relacionada ao crime. "Esse cálculo aqui é de estimação. Eu tenho há mais de cinco anos, está na bexiga. É maior do que um grão de feijão. Resolvi tirar porque deve estar aí ferindo internamente a bexiga", disse ele no início do mês ao anunciar a um grupo de apoiadores que faria a intervenção.

Saiba mais sobre o procedimento e relembre cirurgias anteriores de Bolsonaro

O que é e como se forma um cálculo na bexiga?

Segundo o secretário-geral da Sociedade Brasileira de Urologia, Alfredo Canalini, cálculos urinários podem aparecer quando substâncias presentes na urina, como cálcio, fosfato e ácido úrico se aglutinam, formando uma pedra. 

Canalini diz que algumas situações podem favorecer o aparecimento dos cálculos, como quando a pessoa não bebe muita água. “É uma situação relativamente comum”, afirma o urologista, que explica que os cálculos urinários em geral se formam no rim e podem descer pelo ureter, caindo na bexiga. “Ou você pode ter o cálculo que se forma primariamente na bexiga, mas isso não é o mais comum.”

“(O cálculo urinário) é uma doença muito frequente”, afirma o professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo Roni de Carvalho Fernandes. “As pedras dentro do sistema urinário podem ser de vários tamanhos, e um cálculo do tamanho de um grão de feijão não é tão grande.”

Quais os sintomas?

Segundo o urologista Alfredo Canalini, o cálculo em geral provoca dor quando obstrui a passagem do ureter, causando acúmulo da urina e inchando o rim. “E, quando o rim incha, dói. Essa é a cólica renal”. 

Já os cálculos na bexiga, segundo o médico, não costumam ser motivo de dor, embora isso possa acontecer. Mesmo assim, Canalini diz que costuma aconselhar a retirada da pedra, uma vez que a tendência é que os cálculos cresçam, levando à necessidade de cirurgias mais complexas para sua remoção.

O urologista Roni de Carvalho Fernandes pontua ainda que pedras na bexiga também podem gerar sintomas na hora de urinar. “(O paciente) pode ter dor, sangramento para urinar, aumento da frequência e urgência para ir ao banheiro.”

Como é feita a cirurgia para retirar o cálculo?

O procedimento é considerado simples e minimamente invasivo. A cirurgia é feita com um endoscópio, que segue através da uretra (canal pelo qual urinamos) até chegar à bexiga. “Pela visão da endoscopia, você localiza o cálculo e dá ‘tirinhos’ de laser na pedra, que vai se fragmentando.

Se ela se fragmenta muito bem, o paciente vai até uriná-la espontaneamente. Ou você pode quebrar essa pedra em pedaços e, com pinças delicadas, tirar essas pedrinhas pelo aparelho endoscópico”, afirma Alfredo Canalini. “O paciente dorme durante o procedimento e não sente absolutamente nada da barriga para baixo. E a recuperação, em geral, é bem tranquila.”

“O procedimento é de baixa complexidade, com período de internação curto e uma boa evolução no pós operatório. Normalmente, a gente orienta o paciente a ficar um ou dois dias internado”, diz Roni de Carvalho Fernandes. 

Por quais outras cirurgias Bolsonaro já passou desde 2018?

  • 6 de setembro de 2018 -  Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG): Operação de urgência após ser atingido com uma facada por Adélio Bispo em ato de campanha
  • 12 de setembro de 2018 - Hospital Albert Einstein, em São Paulo: Cirurgia de emergência em razão de uma complicação causada pela aderência das paredes do intestino
  • 28 de janeiro de 2019 - Hospital Albert Einstein, São Paulo: Retirada da bolsa de colostomia
  • 8 de setembro de 2019 - Hospital Vila Nova Star, São Paulo: Cirurgia para correção de uma hérnia incisional na região da área atingida pela facada
  • 30 de janeiro de 2020 - Hospital das Forças Armadas (HFA), Brasília: Vasectomia. Foi a segunda vez que ele passou pelo procedimento médico de esterilização para homens que não desejam ter mais filhos biológicos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarocirurgia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.