Oficial Kremlin/PR
Oficial Kremlin/PR

Entenda por que Bolsonaro fez foto ao lado de Putin na Rússia

Emmanuel Macron e Olaf Scholz, respectivamente líderes da França e Alemanha, foram mantidos distantes do presidente russo em encontros recentes; Explicação tem relação com medidas para conter o avanço da covid-19

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2022 | 13h23
Atualizado 17 de fevereiro de 2022 | 14h02

O presidente Jair Bolsonaro teve o "privilégio" de sentar-se perto de Vladimir Putin durante encontro com o governante russo nesta quarta-feira, 16. O registro fotográfico da conversa entre os mandatários chamou atenção pela proximidade entre eles, em comparação à distância com que o mesmo Putin conversou com o presidente francês, Emmanuel Macron, e com o premiê alemão, Olaf Scholz, poucos dias antes. Diferentemente do tratamento "distante" — literalmente — dispensado para os líderes europeus, Putin até apertou a mão do chefe do Executivo brasileiro. Esse comportamento, contudo, foi motivado menos por questões diplomáticas e mais por sanitárias. 

Ao contrário dos governantes europeus, Bolsonaro concordou em seguir o protocolo sanitário adotado para todos os visitantes que vão à sede do governo russo: ele fez um exame RT-PCR, de detecção da covid-19, com a equipe médica do próprio governo de Putin. Pelas regras do Kremlin, os testes são diários e não podem ser de outra nacionalidade.

Macron, por sua vez, se recusou a fazer um teste russo quando chegou para se reunir Putin nesta semana. Em vez disso, ele se submeteu a um exame francês, mas a alternativa não foi o suficiente para convencer as autoridades locais. Segundo fontes da comitiva do presidente francês ouvidas pela Reuters, Macron quis evitar que a Rússia se apossasse de seu material genético.

Como resultado, o chefe de Estado francês foi mantido à distância do líder russo durante as longas conversas que tiveram sobre a crise na Ucrânia. Eles foram fotografados em extremidades opostas de uma mesa de aproximadamente cinco metros, o que provocou comentários satíricos nas mídias sociais e chamou a atenção da imprensa mundial.

O mesmo aconteceu com Scholz, que também evitou fazer um exame RT-PCR proveniente da Rússia. Em ambos os casos, não houve aperto de mãos. Já Bolsonaro pôde cumprimentar o presidente russo, e o gesto foi registrado.

O presidente brasileiro, que diz não ter se vacinado contra a covid, já teve de fazer testes de detecção do coronavírus em outras ocasiões. Para comparecer à posse do ministro André Mendonça no Supremo Tribunal Federal (STF), por exemplo, o mandatário teve de apresentar um resultado negativo para a doença, seguindo os protocolos da Corte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.