Isac Nóbre/PR - 21/7/2019
Isac Nóbre/PR - 21/7/2019

Bolsonaro reclama de ausência da PM baiana em inauguração de aeroporto

Em meio à tensão, governador petista diz que se o evento é federal, segurança deve ser feita por forças federais

Matheus Lara e Felipe Frazão, enviado a Vitória da Conquista

23 de julho de 2019 | 10h06

Pouco antes de embarcar para viagem a Vitória da Conquista, na Bahia, onde participa da inauguração do aeroporto Glauber Rocha, o presidente Jair Bolsonaro reclamou no Twitter de uma decisão do governador Rui Costa (PT), que não colocou a Polícia Militar do Estado para fazer a segurança do evento.

"Lamentável a decisão do governador da Bahia que não autorizou a presença da Polícia Militar para a nossa segurança. Pior ainda, passou a responsabilidade de tal negativa ao seu Comandante Geral", escreveu Bolsonaro no Twitter.

Em entrevista à Rádio Metrópole, Rui Costa falou sobre sua decisão, como mostrou o site BR18.  “Quem é impopular e tem medo de ir para às ruas, fica em seu gabinete. Se o evento é exclusivamente federal, as forças federais cuidem da segurança do presidente. Eu não posso colocar PM para entrar em conflito com as pessoas que querem ver o aeroporto”, disse o governador. 

A inauguração do aeroporto acontece em meio à tensão entre Bolsonaro e governadores da região Nordeste. Na sexta-feira passada, em áudio captado pela TV Brasil, Bolsonaro faz referência à região e diz que o governo federal não devia dar “nada” para o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB).

Há trechos inaudíveis da conversa em que não é possível entender o contexto, mas o presidente negou que no rápido diálogo com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, tenha classificado os governadores do Nordeste pelo termo “paraíba” – forma pejorativa usada principalmente no Rio para se referir aos imigrantes da região. 

O governador baiano afirmou que não vai participar da cerimônia de inauguração do aeroporto. Em um vídeo nas redes sociais publicado na segunda, ele alegou que o evento se transformou em uma “convenção político-partidária”.

O governador do PT afirmou que durante a organização da cerimônia, na semana passada, convidou o presidente e sua comitiva como um “aceno de boas maneiras”. Na versão de Costa, o governo federal estabeleceu que, de 300 pessoas convidadas para o evento, o Estado teria direito a indicar 70. Depois, decidiu que seriam 600 convidados – e que o petista teria direito de chamar 100.

O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, afirmou que Bolsonaro destacou ser importante inaugurar o aeroporto pelo estímulo ao turismo e à economia local. Segundo ele, o Planalto não se preocupa com eventuais críticas ao presidente ou protestos no evento. “Em qual cidade nosso presidente chega e não é ovacionado? Em todas (é ovacioado). E não seria diferente na cidade onde temos apreço pelo prefeito e pelo povo”, disse o porta-voz.

Segurança. Com a negativa do governo do Estado em disponibilizar o efetivo da PM, a segurança no acesso ao Aeroporto está sendo feita pela Polícia do Exército, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, em efetivo bastante reduzido se comparado a outros eventos presidenciais. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.