Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Bolsonaro recebe autoridades nacionais e estrangeiras no Itamaraty

Chefes de Estado citam intenções de aprofundar cooperação com o Brasil em áreas de segurança, infraestrutura e acordos comerciais

Lu Aiko Otta e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 20h19

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro e a primeira-dama Michelle chegaram na noite desta terça-feira, 1, ao Palácio do Itamaraty, onde várias autoridades e convidados, brasileiros e estrangeiros, já os aguardavam para um coquetel. Entre os presentes, estão o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, que falou com a imprensa e disse que convidou Bolsonaro a visitar seu país. O premiê afirmou ainda que esse é um grande dia para o Brasil e para as relações bilaterais. "Somos irmãos, somos família ", disse, ao chegar ao Palácio Itamaraty.

Também o presidente do Chile, Sebastian Piñera e o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, participam do evento e conversaram com os jornalistas. Piñera disse que espera que o presidente Jair Bolsonaro visite logo seu país e citou as áreas de segurança e agricultura como possíveis áreas de cooperação. 

Segundo Piñera, os dois países têm muitos anos de cooperação, que pode ser aprofundada. Os dois países fecharam recentemente um acordo de livre-comércio e que vai conversar com o presidente Jair Bolsonaro para que ambos busquem aprovar o entendimento rapidamente nos respectivos Congressos. O acordo foi assinado no mês passado.

Outro projeto conjunto destacado pelo chileno é o corredor bioceânico que ligará Atlântico e Pacífico através dos dois países, mais Argentina e Paraguai. Outra área é a de energia limpa e o melhor aproveitamento da água. Piñera disse que a tecnologia chilena faz "milagres" no deserto, num momento em que as soluções israelenses para a falta de água fazem sucesso junto ao novo governo. 

Já Rebelo de Sousa destacou o trabalho para um acordo entre Mercosul e União Europeia. "Portugal está trabalhando em um acordo entre Mercosul e União Europeia. Bilateralmente temos muito em comum: energia, digital, turismo, novas tecnologias, ciências. Estamos trabalhando e podemos fazer muito mais para o futuro", afirmou, em entrevista a jornalistas. "Estamos na primeira linha da cooperação e da construção conjunta de laços."

A primeira agenda do presidente inclui encontros com representantes dos EUA, China, Portugal e Hungria. Às 10h, a agenda prevê que Bolsonaro receberá o ministro das Relações Exteriores dos Estados Unidos, Mike Pompeo, no Planalto. Em seguida, às 10h45, terá encontro o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. Às 11h15, o presidente receberá o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban. Em seguida, às 12h, Bolsonaro terá reunião com o vice-presidente do Parlamento Chinês, Ji Bingxuan. 

Ausências. Já o presidente da Argentina, Mauricio Macri, não veio ao Brasil e foi representado pelo chanceler Jorge Faurie. Ele disse que Bolsonaro e Macri devem reunir-se no próximo dia 16 de janeiro. Pelo Twitter, Macri classificou o Brasil como "país amigo e irmão" e disse confiar que "nossos governos seguirão colaborando para a prosperidade de nossos povos". 

O presidente da Bolívia, Evo Morales, que esteve na cerimônia de posse, não compareceu ao coquetel no Itamaraty. O húngaro Viktor Orban também não. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.