Reprodução
Reprodução

Bolsonaro reassume Presidência nesta quarta internado em hospital

Presidente diz que está bem após cirurgia e vai despachar de uma sala especial montada ao lado de seu quarto

Carla Bridi, Mateus Fagundes e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2019 | 17h36
Atualizado 30 de janeiro de 2019 | 10h05

Jair Bolsonaro reassume nesta quarta-feira, 30, às 7 horas, o cargo de presidente da República, confirmou o porta-voz Otávio do Rêgo Barros, mas continua internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, onde se recupera de uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia. Nas redes sociais, o presidente disse que está bem.

Desde da operação, realizada na segunda-feira,  o presidente em exercício era o vice Hamilton Mourão. Uma sala especial foi montada pelo Gabinete de Segurança Institucional (GSI) ao lado do quarto onde Bolsonaro está internado para que ele trabalhe enquanto não recebe alta, prevista para dez dias após a cirurgia.

“A despeito de algumas restrições, ele (Bolsonaro) já se encontrará amanhã (nesta quarta-feira) em condições. Naturalmente nós tentaremos evitar que estes despachos aconteçam de maneira rotineira que possa vir a cansá-lo. Ele encontrar-se-á em condições, como o planejado anteriormente, de reassumir a presidência amanhã”, afirmou o porta-voz.

Segundo boletim médico mais recente, divulgado nesta terça-feira às 17h, o quadro de saúde de Bolsonaro manteve-se “estável”.  “O excelentíssimo Presidente da República, Jair Bolsonaro, manteve-se estável durante o dia, sem sangramentos ou qualquer outra complicação. Permanece em jejum oral, recebendo analgésicos e hidratação endovenosa. À tarde sentou em poltrona e realizou fisioterapia respiratória e motora com bom desempenho”, informa o documento.

Rêgo Barros afirmou também que o presidente tem tido evolução “bastante razoável”. “Os próprios doutores me comentaram uma evolução muito positiva nesta cirurgia. Claro que pela preparação, claro que porque o presidente é um homem muito forte.”

As visitas, de acordo com o boletim médico, são restritas “por ordem médica” – acompanham o presidente no hospital a primeira-dama Michelle Bolsonaro e o filho Carlos Bolsonaro

Bolsonaro usou suas redes sociais para informar que estava bem e aproveitou para agradecer aos médicos que cuidaram dele desde que o sofreu o atentado à faca durante ato de campanha, em setembro. “Foram tempos difíceis, consequência de uma tentativa de assassinato que visava destruir não só a mim, mas a esperança de muitos brasileiros num futuro melhor. Agradeço a Deus por estar vivo, aos profissionais que cuidaram de mim até aqui e a todos vocês pelas orações! Estou bem”, escreveu no Twitter. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.