Alan Santos/PR
Alan Santos/PR
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro pulou em PF, Coaf, Receita, STJ e Câmara, agora avança sobre STF e TCU

Sem Supremo e mídia, quem segura o presidente?

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2021 | 03h00

Depois de jogar fora o discurso de 2018 e não pôr nada no lugar, o presidente Jair Bolsonaro vai construindo a sua persona de 2022 com base em pautas conservadoras e no avanço sobre o Supremo, o STJ, o TCU e a Polícia Federal, tudo junto e misturado. A Câmara já está no bolso.

Se os ministros indicados para o Supremo na era PT não votaram como agentes dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, nem no mensalão nem no petrolão, muito pelo contrário, os dois da era Bolsonaro vão na linha do general Eduardo Pazuello: “Um manda, o(s) outro(s) obedece(m)”.

Kassio Nunes Marques vota sempre, ou quase sempre, com o presidente. E o novo ministro André Mendonça, que toma posse no dia 16, antes do recesso do Judiciário, vai pelo mesmo caminho, com uma diferença: tende a fazer tudo o que, não um, mas seus dois mestres mandarem – Bolsonaro e evangélicos.

Mendonça chega fraco ao Supremo, depois de esperar quatro meses para ser sabatinado no Senado, ter o pior placar no plenário entre todos os últimos ministros (6 votos a mais do que o necessário) e admitir que vai ser representante de uma religião na corte. É inédito.

Pior: Mendonça foi um na sabatina da CCJ e outro depois de aprovado no plenário. Aos senadores, declarou: “Na vida, a Bíblia; no STF, a Constituição”. Ao País, já com a vaga garantida, abriu o jogo: “Um passo para um homem, um salto para os evangélicos”.

Ele tentou agradar a Bolsonaro e oposição, Lava Jato e políticos, evangélicos e não evangélicos na sabatina. Já aprovado, jogou fora a neutralidade e trocou democracia e Constituição por “família”, “Deus” e “evangélicos”. Portanto, pode até surpreender e se revelar independente, um real magistrado, mas não é essa a expectativa.

O Bolsonaro de 2022 não tem como falar de corrupção, “velha política”, economia, pandemia, vacina, educação, cultura, política externa e justiça social, apesar de o Auxílio Brasil e a PEC dos Precatórios estarem andando no Congresso. Mas ele terá as instituições nas mãos. A lista de delegados e delegadas afastados cresce a olhos vistos na PF, com uma “curiosidade”: todos contrariaram Bolsonaro de alguma forma, três em ações (até burocráticas) envolvendo o blogueiro Alan dos Santos, que mudou (fugiu?) para os EUA com ajuda dos Bolsonaro e é alvo de um pedido de extradição do Supremo.

Bolsonaro interveio na PF, Coaf e Receita, pulou no STJ, dominou a Câmara e avança sobre o TCU e sobre o próprio Supremo, com vitórias dos filhos e a proposta para os ministros se aposentarem mais cedo e abrirem vagas para novos Kassios e Mendonças. Sem Supremo e mídia, quem segura Bolsonaro?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.