Rafael Carvalho/Equipe de Transição
Rafael Carvalho/Equipe de Transição

Bolsonaro passa ano novo em clima familiar na Granja; entorno fica esvaziado de apoiadores

Estavam presentes os filhos, a primeira-dama e a mãe do presidente eleito.

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2019 | 09h48

Brasília - O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) passou a virada do ano na Granja do Torto, em Brasília, ao lado de familiares.  O candidato do PSL que saiu vitorioso na disputa presidencial toma posse do cargo nesta terça-feira (1º) em cerimônia no Congresso Nacional.

Durante o dia, cerca de 60 apoiadores chegaram a ficar em frente ao local, em busca de algum contato com o presidente eleito, que não saiu de casa. Na madrugada, porém, não houve movimentação.

Já do lado de dentro da Granja, o futuro mandatário, familiares e amigos comemoraram em clima pessoal a passagem de 2018 para 2019, ano em que começa o mandato de quatro anos de Bolsonaro à frente do Executivo. Com a previsão de um dia cheio por causa da posse, Bolsonaro foi descansar antes da 1h da manhã, segundo relatou um dos amigos da família, o deputado estadual eleito em São Paulo, Gil Diniz (PSL) ao deixar a festa de réveillon na Granja. Diniz, conhecido como "Carteiro Reaça", trabalhou como assessor de Eduardo Bolsonaro, deputado federal e um dos filhos do presidente eleito.

Segundo Diniz, foi uma comemoração simples. “Arroz, farofa, carne, uma mistura. Sabe casa de tio, avó?”, brincou sobre o cardápio e a programação na televisão, que, segundo ele, transmitia as tradicionais festas de réveillon nas cidades pelo Brasil. “Era família mesmo”. O político estimou que estavam na festa cerca de 30 pessoas, e não citou a presença dos futuros ministros do governo Bolsonaro.

"Pessoal já foi descansar, todo mundo celebrou a virada. Jair foi dar uma descansada porque amanhã é cedo, descansa cedo e acorda cedo", disse o deputado, que saiu da residência oficial em torno da 1h.

Além de Bolsonaro, estavam presentes na Granja os filhos Flávio, Eduardo e Carlos, a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a mãe do presidente eleito, Olinda, de 91 anos. 

"Show de bola", descreveu a intérprete de libras Angela Mariano Julião sobre o clima da comemoração do futuro mandatário do País. Intérprete que acompanhou Bolsonaro durante a campanha eleitoral, Angela falou brevemente com jornalistas ao sair da Granja, por volta das 22h. Estava com pressa, "atrasada para o culto", contou.

Apesar de publicar com frequências nas redes sociais, Bolsonaro não fez nenhuma postagem sobre a reunião na Granja até a virada do ano. A conta oficial do presidente eleito postou no Facebook um texto sobre o novo ano, em que afirma que 2019 “marca o início de uma nova era”. “A velha política que tanto maltratou o país e seus cidadãos dará lugar à responsabilidade, ao respeito aos brasileiros e seus valores”.

A publicação ainda diz que a “união” será necessária para “superar os desafios”. “Foi assim que chegamos até aqui, nadando contra a maré, contra mentiras, rótulos, difamação e ódio. É assim que enfrentaremos a corrupção, a violência e as velhas mazelas hoje atreladas à nossa identidade nacional”.

As fotos ficaram por conta do perfil no Instagram do filho e senador eleito Flávio Bolsonaro, e da namorada de Eduardo, Heloisa Wolf, em que aparece ao lado do companheiro.

Sem festa. Do lado de fora, nos portões da Granja, no entanto, não houve festa, apesar dos planos de um grupo de apoiadores do presidente eleito. Vindas da cidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Garanhuns (PE), a professora Wilma Silvestre e a comerciante Zirene Brasil chegaram até a trazer comida para passar a virada em frente à Granja, por volta das 23h, mas desistiram. Sem expectativa de que Bolsonaro aparecesse nos portões da residência, rumaram para o Mané Garrincha, onde há festividade garantida.

Num grupo de WhatsApp criado para reunir os apoiadores de Bolsonaro que conheceu durante os últimos dias na Granja, Zirene sugeriu que passassem a virada em frente à residência oficial. “Momento histórico”, mencionou. A ideia não prosperou. “Na verdade, não é porque tinha pouca gente, é porque Bolsonaro não vai aparecer”, justificou sobre a mudança de planos.

Outro que teve de mudar o esquema da noite foi Thiago Neves, que concorreu para deputado estadual em São Paulo pelo PSL. Apelidado de ‘Enéas’, pela semelhança com o ex-deputado federal Enéas Carneiro, chegou para a festa por volta das 22h no local da residência oficial. Apesar das tentativas, saiu dos portões da Granja sem conseguir entrar na festa, já depois da virada do ano.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.