Reuters e Estadão
Reuters e Estadão

Lula herda mais votos de Bolsonaro do que Moro, diz pesquisa

De acordo com levantamento do PoderData, um quinto dos eleitores que votaram em Jair Bolsonaro em 2018 pretendem votar em Lula em 2022; apenas um décimo pretende votar em Sergio Moro

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2022 | 09h26

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) herdaria 21% dos eleitores de Jair Bolsonaro (PL) em 2018 se as eleições fossem hoje, segundo destaque da pesquisa PoderData divulgado nesta segunda-feira, 7. De acordo com o levantamento, realizado entre os dias 31 de janeiro e 1 de fevereiro, o petista captura mais ex-apoiadores do chefe do Executivo que o ex-juiz Sérgio Moro, que herdaria a metade, 10%. 

Segundo a pesquisa, Bolsonaro mantém, neste momento, 54% dos votos que recebeu em 2018. No levantamento anterior feito pelo instituto, o presidente mantinha 58% dos eleitores. Entre aqueles que votaram em Fernando Haddad (PT) no segundo turno daquele ano, 72% dizem agora que vão escolher Lula. Há também uma parcela de 75% dos que votaram branco/nulo em 2018 que atualmente declara voto no líder petista.

Ciro Gomes (PDT) herdaria hoje 4% dos votos de Bolsonaro e 12% dos votos de Haddad. João Doria (PSDB), por sua vez, captura 3% de cada.  

A pesquisa mostra ainda que Lula segue liderando a corrida pelo Planalto, com 41% das intenções de voto. Entretanto, a vantagem do petista sobre Bolsonaro, que aparece com 30%, caiu de 14 para 11 pontos. Ciro Gomes e Moro ficaram empatados em terceiro lugar com 7%. 

Os dados aferidos pelo PoderData também mostram que diminuiu a possibilidade de vitória em primeiro turno de Lula. Diferentemente de seu desempenho em outras pesquisas, o ex-presidente aparece abaixo da soma de todos os seus adversários, que totalizam 51%.

O PoderData entrevistou 3 mil pessoas por telefone entre 31 de janeiro e 1º de fevereiro. O registro da pesquisa no TSE é BR-09445/2022. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.