Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Bolsonaro ironiza viagem de Doria: 'Sem problema ir para Miami, mas não podemos fechar SP'

Sem máscara, presidente causou aglomeração em Praia Grande, no litoral de São Paulo

Lucas Melo, Especial para o Estadão

30 de dezembro de 2020 | 12h44

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o governador João Doria (PSDB) durante passeio na manhã desta quarta, 30, na Praia Grande. Em meio aos cumprimentos a apoiadores, o presidente disse: "Sem problemas ir para Miami, mas não podemos fechar São Paulo", em referência à viagem de Doria, pela qual ele se desculpou publicamente.

Sem máscara, Bolsonaro fez um passeio de moto-aquática até a Fortaleza de Itaipu, em Praia Grande. Ao chegar à praia do Forte, o chefe do Executivo nacional encontrou centenas de pessoas aglomeradas o aguardando em um gradil, sendo que grande parte delas, assim como o presidente, estava sem máscara.

Além de apertos de mãos e selfies com os fãs, Bolsonaro pegou crianças no colo e vestiu uma camisa do Corinthians por cima de outra do Santos. 

Bolsonaro lamentou a morte do cabo da Polícia Militar, Diogo Gomes de Melo, 31 anos, que morreu afogado em Itanhaém ao tentar salvar quatro crianças que se afogavam no mar. "Lamentamos o falecimento do cabo da Polícia Militar que foi salvar uma garotada. Lamentavelmente ele foi tragado pela correnteza e entrou em óbito. Mantemos contato com a família e lamentamos o ocorrido", disse Bolsonaro.   

De acordo com o Grupamento de Bombeiros Marítimo, que atendeu a ocorrência, o policial militar estava de folga, com sua família na praia do Suarão, em Itanhaém e entrou no mar para salvar o enteado, de 10 anos e três sobrinhos, todos com 13 anos, que estavam se afogando. Antes de ser puxado pela força das águas, Diogo ainda conseguiu salvar duas crianças e as outras duas foram salvas por banhistas e todas passam bem.

O PM não conseguiu retornar para a faixa de areia e as buscas começaram imediatamente, sendo realizadas por cinco viaturas e 11 policiais. Uma hora depois o corpo de Diogo foi encontrado. Ele ainda foi levado pelo Samu à Upa de Itanhaém, mas chegou à unidade de saúde sem vida. 

Cabo Melo, como era conhecido, estava na corporação há 11 anos e integrava a 1 Companhia do 13° Batalhão de Polícia Militar Metropolitano, na região central de SP. Ele estava em Itanhaém trabalhando na Operação Verão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.