Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro impulsiona procura por ‘golden shower’ no Google

Termo de busca teve pico na manhã desta quarta-feira após tuítes do presidente

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

06 de março de 2019 | 16h28

Horas depois de o presidente Jair Bolsonaro postar no Twitter um vídeo explícito, o próprio mandatário perguntou na rede: “O que é golden shower?” E ele não foi o único a se questionar. As buscas brasileiras no Google pelo termo em inglês — que significa a prática de envolver urina na relação sexual — registraram pico na manhã desta quarta-feira, 6, e já vinham crescendo desde ontem à noite, quando foi publicado o primeiro tweet do presidente. 

A plataforma Google Trends mostra que, no período de uma semana analisado, o interesse por “golden shower” permanecia estável — uma linha reta no gráfico, sem grandes oscilações. A partir da noite desta terça-feira, porém, a linha sobe e, após uma queda durante a madrugada, dispara com o segundo tweet de Bolsonaro. Veja no gráfico abaixo: 

O Trends também mostra quais são os termos de busca relacionados à expressão-chave que proporcionaram o aumento de procuras. Todos estão ligados ao presidente. “Golden shower bolsonaro” e “golden bolsonaro” foram os principais. 

No Twitter, a hashtag #goldenshowerpresident entrou nos tópicos mais falados do mundo, junto com #ImpeachmentBolsonaro e #BolsonaroTemRazão. Após reclamações quanto ao grau de exposição do tuíte, a rede social chegou a colocar um aviso de “conteúdo sensível” na mensagem do presidente. 

Bolsonaro postou o vídeo por volta das 21h desta terça-feira, último dia de Carnaval. Na mensagem, alega que “muitos blocos de rua” estariam vivenciando cenas como a do vídeo, no qual um homem urina no outro diante do público. Depois da repercussão, o presidente voltou ao Twitter nesta manhã para questionar “o que é golden shower”, já que, mesmo sem citá-lo na primeira publicação, o termo, não tão conhecido, passou a ser comentado nas redes sociais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.