Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro
Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro

Bolsonaro fica afastado do cargo por mais quatro dias

O general Hamilton Mourão seguirá como interino na Presidência da República após orientação médica de mais repouso; não há previsão de alta

Bruno Ribeiro e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2019 | 19h10
Atualizado 13 de setembro de 2019 | 10h24

SÃO PAULO e BRASÍLIA – A previsão de que o presidente Jair Bolsonaro retomaria o cargo nesta sexta-feira, 13, foi adiada por pelo menos mais quatro dias por orientação médica. Em nota, o vice-presidente Hamilton Mourão permanecerá interinamente na Presidência até o dia 16 de setembro. Originalmente, o prazo se encerraria nesta quinta-feira, 12. 

A extensão de prazo no afastamento de Bolsonaro se deu para dar mais “descanso” ao presidente, internado após nova cirurgia no aparelho digestivo. O presidente não tem previsão de alta, mas fez uma curta “live” nas redes, de 3 minutos e 9 segundos.

“Foi avaliado que o presidente deve descansar por mais quatro dias, a contar de amanhã. Sexta, sábado, domingo e segunda. Esse descanso vai acelerar o processo de recuperação do presidente e, com toda naturalidade e normalidade, o general Mourão permanece como presidente em exercício até segunda-feira que vem”, afirmou o porta-voz Otávio Rêgo Barros.

“Ele está preparado, é uma pessoa mentalmente muito forte, e ele próprio  participou desta decisão (de continuar afastado)”, afirmou o porta-voz, durante conversa com jornalistas na sala de imprensa do Hospital Vila Nova Star, na Vila Nova Conceição, zona sul de São Paulo, onde Bolsonaro está internado. “Mas a decisão final foi dos médicos”, destacou. 

O porta-voz disse que Bolsonaro teria condições de retornar ao cargo na sexta-feira, 13, como era previsto, mas que a decisão foi no sentido de dar mais conforto ao paciente. “Ele poderia assumir amanhã, mas não nos parecia interessante, do ponto de vista médico, assumir com alguma limitação”, disse, ao dizer que a sonda era “incômoda”. 

Bolsonaro continua com sonda nasogástrica

Bolsonaro caminhou duas vezes durante esta tarde, de acordo com o porta-voz. Questionado sobre a distância percorrida, preferiu brincar, dizendo que as pessoas chutam uma metragem. “Dava para ter feito a caminhada de Compostela”,  citando rota de peregrinação na Espanha.

A equipe médica que acompanha Bolsonaro informou, pela manhã, que a sonda nasogástrica que foi introduzida para retirar excesso de ar do estômago. Até o fim desta tarde, Bolsonaro continuava com uma sonda nasogástrica e recebendo alimentação pela veia. 

Macedo explicou ainda que após a retirada da sonda, Bolsonaro voltará a ter uma dieta líquida, por um ou dois dias, e depois passará para uma dieta cremosa. “Estamos esperando a retomada dos movimentos intestinais para ir para o pós operatório”, afirmou o médico, que visitou Bolsonaro durante à noite.

Ele chegou por volta das 21h20 no centro médico e permaneceu lá por cerca de 50 minutos. Segundo o porta-voz da Presidência,  Macedo iria avaliar a possibilidade de retirada da sonda nasogástrica de Bolsonaro, o que poderia ser feito nesta sexta-feira. O médico saiu sem falar com a imprensa.

Visitas a Bolsonaro continuam restritas

Durante à tarde, Bolsonaro recebeu o médico Luiz Henrique Borsato, que o atendeu em Minas Gerais quando o presidente foi esfaqueado, durante a campanha eleitoral.  Bolsonaro está acompanhado da mulher, Michelle, e do filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro. As visitas, no entanto, continuam restritas.

Rego Barros disse não ter informação se o presidente e o vice tiveram algum tipo de diálogo nesta quinta. Segundo o porta-voz, a viagem do presidente a Nova York, ainda neste mês, para a cerimônia de abertura da Assembleia Geral da ONU, está mantida. 

Internado, presidente faz live semanal

Na live, Bolsonaro dirigiu-se aos internautas do quarto do Hospital Vila Nova Star. O presidente apareceu ainda com a sonda nasogástrica e falou devagar e em tom baixo, parando para tomar fôlego em alguns momentos.

Bolsonaro tratou rapidamente de alguns assuntos da semana, como a medida provisória que desobriga alunos de pagar entidades de classe para a emissão da carteira estudantil e a que garante pensão vitalícia para vítimas de microcefalia por infecção do vírus zika.

O presidente ainda mencionou a visita que recebeu do médico Luiz Henrique Borsato. “É uma visita que não tinha como eu não me emocionar”, disse ele. Bolsonaro concluiu a transmissão dizendo: “Nós temos uma missão: ajudar a mudar o destino desse grande País chamado Brasil”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.