Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

‘Bolsonaro fará governo extraordinário’, afirma Temer

Michel Temer cumprimenta sucessor durante cerimônia do lançamento do submarino Riachuelo e diz que ‘cumpriu sua missão’ na Presidência

O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2018 | 22h23

RIO - Com batismo de champagne de garrafa estourada em seu casco pela primeira dama Marcela Temer, o submarino Riachuelo foi lançado nesta sexta-feira ao mar em Itaguaí, na região metropolitana do Rio, em cerimônia com o presidente Michel Temer e o presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Discursos do ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, do comandante da Marinha, almirante Eduardo Leal Ferreira, e do próprio Temer tiveram tom nacionalista, de incentivo ao conteúdo local. Foram na contramão das diretrizes da política econômica sinalizadas até aqui pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, favorável à abertura da economia. Temer destacou que seu governo “cumpriu sua missão”.

"Tenho absoluta convicção e certeza de que Bolsonaro e sua equipe farão extraordinário governo”, disse Temer, em discurso de cerca de cinco minutos na cerimônia do lançamento ao mar do submarino.

Segundo o presidente, seu governo assumiu em momento de “grave crise econômica”. “Implementamos ampla agenda de reformas que está modernizando nosso País”, disse Temer, que classificou a construção do submarino pela Marinha como “prova renovada da excelência da nossa indústria naval”.

O Riachuelo foi o primeiro fruto do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub) – que prevê R$ 35 bilhões de investimentos ao longo de 20 anos, criado no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – a descer ao mar. Outros três submersíveis convencionais e um nuclear, a serem construídos em um acordo internacional, serão lançados nos próximos anos.

Ao operação envolve o estaleiro estatal francês DCNS e foi financiado por um banco da França.

O ministro Silva e Luna disse que o Prosub, que completou dez anos neste ano, está proporcionando a formação de mão de obra e geração de empregos qualificados, incluindo o Brasil no “seleto grupo de países” capazes de produzir e operar submarinos.

“Estamos já visualizando 2029, quando o primeiro submarino de propulsão nuclear será lançado ao mar”, afirmou Silva e Luna. As embarcações serão construídas pela ICN, empresa criada para operar o estaleiro, no Complexo Naval de Itaguaí.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.