Gustavo Queiroz/ESTADÃO
Gustavo Queiroz/ESTADÃO

'Bolsonaro errou ao dizer que procuradores escreviam as delações', diz Deltan Dallagnol

Ex-procurador da República rebateu acusações do presidente e disse que jamais pediu reunião com o chefe do Executivo

Levy Teles, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 18h58

O ex-procurador da República Deltan Dallagnol, recém-filiado ao Podemos, rebateu neste domingo, 12, a fala do presidente Jair Bolsonaro (PL) — que disse que ele se negou a receber Deltan em audiência no Planalto em 2019, antes de escolher Augusto Aras como procurador-geral da República — e a acusação de que a Operação Lava Jato produziu depoimentos. 

“O presidente Bolsonaro errou ao dizer que os procuradores escreviam as delações dos colaboradores, talvez porque ele não teve a oportunidade de conhecer melhor o nosso trabalho na Lava Jato”, disse Deltan. “Todos os acordos de cooperação foram negociados pela defesa e os fatos e as provas foram trazidos espontaneamente.” 

Sobre o pedido de encontro, Deltan disse que jamais pediu reunião com Bolsonaro, “nem depois da indicação do procurador-geral da República”. De acordo com o ex-procurador, interlocutores do Planalto o procuraram em 2019 para perguntar se ele aceitaria uma reunião com Bolsonaro. A oferta, aponta o ex-procurador, foi recusada. “A nossa equipe de procuradores entendeu que os encontros não seriam apropriados porque alimentariam questionamentos infundados sobre nosso trabalho”, disse.

Desde a filiação do ex-juiz Sérgio Moro e de Deltan ao Podemos, o presidente destina ataques com mais frequência a eles e à Lava Jato. No domingo, Bolsonaro divulgou um conteúdo do influencer conservador Kim Paim.

O influenciador afirma que Moro foi parcial quando juiz na Lava Jato ao mostrar que não houve nenhuma investigação aberta contra o senador Alvaro Dias (Podemos-PR) — patrono de Moro no partido — na época filiado ao PSDB, citado em depoimentos da Operação Lava Jato.  No vídeo, o youtuber chama ainda Dallagnol de lulista e diz que Moro se ligou a mensaleiros.

Deltan defendeu a Lava Jato dizendo que o argumento de que a Lava Jato protegeu parlamentares “não faz nem sentido”, porque eles têm foro privilegiado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O ex-procurador se filiou ao Podemos na última sexta-feira, 10, e pretende concorrer a um cargo de deputado federal. Durante discurso no evento, o ex-procurador da Lava Jato resgatou o que toma como avanços da Lava Jato e criticou as medidas do Congresso e do STF. 

No vídeo publicado no domingo, ele diz que o procurador-geral da República escolhido por Bolsonaro, Augusto Aras, “acabou com a Lava Jato” e defendeu o fim do foro privilegiado. A filiação de Dallagnol faz parte do esforço do Podemos em criar uma “bancada da Lava Jato” com ex-integrantes do Judiciário e do Ministério Público. Além de Deltan e Moro, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot também deve se filiar à legenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.