Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro e Maia estão em 'acirrada disputa pelo nada', diz líder do PSL na Câmara

Para Delegado Waldir, 'é um grande equívoco continuar fazendo essa diferença entre nova e velha política'

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2019 | 20h50

BRASÍLIA - Embora o presidente Jair Bolsonaro pareça irredutível sobre sua postura em relação ao Congresso, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), criticou a articulação política do governo e afirmou que "é um grande equívoco continuar fazendo essa diferença entre nova e velha política".

Ao Broadcast Político/Estadão, Waldir avaliou que Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão numa "acirrada disputa pelo nada" e devem manter a calma.

"O governo não precisa de oposição nesse momento. As ações de algumas pessoas do Executivo e do Parlamento criam um tsunami maior do que qualquer pessoa. É necessário amadurecimento", afirmou. Na semana passada, as declarações do líder do partido de Bolsonaro na Casa de que a proposta de reforma da Previdência dos militares é um "abacaxi" já haviam ecoado mal no governo, e neste domingo Waldir voltou a subir o tom.

"Se o governo quer aprovar a (reforma), da Previdência temos que dialogar mais, reduzir essa zona de atrito, de discussões pela imprensa e pelas redes sociais. Esse mundo virtual é extremamente sadio, ajudou a mudar o Congresso, mas agora está sendo péssimo. Em alguns segundos uma publicação (na internet) derruba a bolsa de valores e reduz a credibilidade do País quando dois chefes de poderes estão numa acirrada disputa pelo nada", disse Waldir.

Hoje, o parlamentar afirmou que, se pudesse dar um conselho ao presidente da República e ao presidente da Câmara, seria "tomar um chá de camomila ou um suco de maracujá" para garantir tranquilidade ao País. "As ações do Rodrigo e do presidente, essa troca de farpas não é algo importante para o país. As pessoas estão morrendo por falta de emprego, segurança e saúde. Nós temos que mudar a pauta parlamento. Coloquem suas divergências de lado", sugeriu.

Waldir também questionou a quem interessa o conflito entre Maia e Bolsonaro neste momento e disse que espera que os dois se encontrem nos próximos dias para resolver as divergências. Segundo ele, a bancada do PSL deve ter uma reunião na próxima terça-feira (26) para discutir essa e outras questões. (Julia Lindner)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.