Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro e Divulgação/Governo de SP
Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro e Divulgação/Governo de SP

Bolsonaro e Doria disputam ‘paternidade’ de investimento japonês em Sorocaba

Presidente reclama de não ter sido citado no anúncio de investimento da Toyota no Estado; governador diz que não houve participação do governo federal

Matheus Lara e Fatima Kamata, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2019 | 10h22
Atualizado 20 de setembro de 2019 | 19h01

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou insatisfação com o fato de não ter sido citado nas notícias de um investimento de R$ 1 bilhão da montadora Toyota em sua fábrica de Sorocaba, em São Paulo, anunciado na quinta, 19. “Para variar, a notícia não tem meu nome”, afirmou. 

Depois, Bolsonaro foi ao Facebook dizer que a decisão da Toyota foi “graças ao programa de valorização dos biocombustíveis do governo federal, o Renovabio”. “Em São Paulo serão produzidos os veículos híbrido-flex (etanol/eletricidade)”, completou. 

Já o governador do Estado, João Doria, está no Japão, onde acompanhou o anúncio e, em resposta ao presidente, nesta sexta-feira, disse que Bolsonaro confunde projetos e sugeriu ao presidente trabalhar mais e tuitar menos. “Recomendo que o presidente trabalhe mais e tuíte menos”, disse Doria, como mostrou o site BR Político. “Não quero entrar dentro da polêmica e nem estimular a polêmica. O que fazemos é trabalhar. É o que temos feito.”

É mais um capítulo dos atritos públicos entre os virtuais candidatos ao Planalto em 2022. Veja a cronologia dos embates. Em live na quinta, Bolsonaro reclamou do anúncio sobre o investimento japonês.

Segundo João Doria, o presidente Bolsonaro teria se confundido ao reclamar os louros. “O anúncio feito na Toyota é de um novo investimento e um novo veículo que nada tem a ver com o lançamento do Corolla híbrido flex a que se referiu o presidente”, acrescentou o governador. O carro híbrido flex foi desenvolvido no Brasil  para receber etanol e está sendo produzido na fábrica da Toyota em Indaiatuba. As vendas começaram no último dia 12 no Brasil e no plano internacional.

Doria disse que o investimento de R$1 bilhão não teve nenhuma participação de Bolsonaro e sua equipe de ministros. “Continuo respeitando o presidente e entendendo que não é hora de eleição nem de confusão. É hora de união e de trazer bons resultados para o Brasil. Foi o que fizemos ao vir para o Japão dando sequência ao entendimento iniciado em abril com a Toyota para o anúncio de um novo investimento e um novo veículo, que nada tem a ver com o lançamento do Corolla híbrido-flex a que se referiu o presidente e que já foi lançado no Brasil.”

Massahiro Inoue, presidente da Toyota para a América Latina e Caribe, disse que os entendimentos para esse investimento foram feitos com o governo de São Paulo (onde estão 95% das operações da empresa) e sem nenhum envolvimento com o programa de incentivo fiscal lançado pelo governo federal (Rota 2030) e nem com o próprio IncentivAuto criado em São Paulo. Este, prevê descontos progressivos de até 25% do ICMS.

No anúncio feito pelo governo de São Paulo, na quinta, o modelo híbrido do Corolla é citado em referência a uma visita do presidente da Toyota no Brasil, Rafael Chang, em abril ao Palácio dos Bandeirantes. 

“Em abril, Rafael Chang, presidente da Toyota no Brasil, visitou o Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, e afirmou que a companhia investirá R$ 1,6 bilhão na planta de Indaiatuba, para a fabricação a versão híbrida do Corolla, com motor elétrico e tecnologia flexfuel, considerado o mais limpo do mundo”, diz o informe.

 
 
O programa citado por Bolsonaro, Renovabio, foi lançado em 2018 ainda no governo de Michel Temer. De acordo com o governador de São Paulo, o lançamento do híbrido-flex teve participação do governo federal através do programa, mas a medida anunciada na quinta, não. “Ele misturou os canais. O canal utilizado para lançar o híbrido-flex de fato teve participação do governo federal, mas estamos falando de um novo investimento. É uma decisão estratégica da Toyota feito com o governo de São Paulo, nenhum envolvimento do governo federal.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.