Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Bolsonaro é alvo de panelaços pelo terceiro dia seguido

Ao menos quatro grandes cidades do País protestaram contra o presidente

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 20h55

O presidente Jair Bolsonaro foi alvo de protestos nesta quinta-feira, 19, em ao menos quatro grandes cidades do País: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Fortaleza. É o terceiro dia consecutivo que manifestantes convocam panelaços contra o presidente.

Em São Paulo, os protestos ocorreram em Pinheiros, aos gritos de “Fora Miliciano”, e nos bairros Bela Vista, HigienópolisSanta Cecília, Barra Funda, Jardins, BixigaPerdizes e República.  

Já no Rio de Janeiro, há relatos de panelaços nos bairros Humaitá, Laranjeiras, Lapa Santa Teresa, Glória, Jardim Botânico, Leme e Botofogo.

Belo Horizonte e Fortaleza também registraram protestos nesta quinta, com moradores batendo panela aos gritos de "Fora Bolsonaro". 

No Twitter, internautas já cogitam novo panelaço no próximo sábado, 21, dia em que Bolsonaro faz aniversário. As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por centenas de movimentos sociaissindicais partidos de esquerda, estão convocando novo panelaço em protesto contra o presidente para a mesma data às 20h

Na última quarta-feira, 18, ao menos 22 capitais fizeram panelaços contra o presidente. Marcados inicialmente para as 20h30, os atos ocorreram ao longo do dia, enquanto Bolsonaro fazia aparições públicas para falar sobre medidas de combate ao coronavírus.

Desde o início da tarde de quarta, o presidente tentou neutralizar o efeito do protesto contra seu governo. Nas redes sociais e em entrevista coletiva, divulgou a existência de outro panelaço, às 21h e a favor do seu governo. A mobilização pró-Planalto foi registrada em pelo menos oito capitais.

Levantamento do Estado mostra que o governo  passou a ser alvo de "panelaços" nesta semana até em regiões que garantiram ao presidente 80% dos votos no 2º turno contra Fernando Haddad (PT) em 2018.  

Na capital paulista, uma das regiões onde protestos foram ouvidos é o bairro do Morumbi, onde urnas chegaram a registrar 80,4% dos votos válidos para Bolsonaro na eleição. Moema (onde o então candidato  do PSL levou 76,8% dos votos), Jardins (75,2%), Vila Romana (74,8%) e Santana (74,7%) também registraram atos. 

No Rio, o cenário é parecido. Bolsonaro teve mais de 60% da preferência dos eleitores de bairros como Ipanema (67,3% contra 32,7% de Haddad) e Freguesia, em Jacarepaguá (61,6%), e foi alvo de protestos. 

Aplausaço

Nas redes sociais, também foi convocado um aplausaço, como parte de uma campanha encampada por artistas para dar uma salva de palmas aos profissionais de saúde que atuam no combate ao coronavírus.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroprotestopanelaço

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.