Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro diz que vídeo não cita as palavras ‘Polícia Federal’ e ‘investigação’

Segundo presidente, preocupação com família é em relação à segurança e ‘vazador’ de teor da gravação de reunião está ‘desinformando’

Emilly Behnke e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2020 | 17h18
Atualizado 12 de maio de 2020 | 21h38

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 12, que o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril não contém as palavras “Polícia Federal”, “investigação” nem “superintendência”. A reunião foi citada pelo ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública Sérgio Moro como prova de que Bolsonaro interferiu politicamente na Polícia Federal. De acordo com o presidente, as imagens da reunião foram captadas apenas para registro e a “fita” poderia ter sido destruída após a gravação.

“Vocês vão se surpreender quando esse vídeo aparecer”, disse o presidente ontem, na rampa do Palácio do Planalto. “Continuam desinformando a mídia. Esse informante, esse vazador, está prestando um desserviço. Não existe no vídeo a palavra ‘Polícia Federal’ e nem ‘superintendência”, disse. Bolsonaro afirmou, ainda, que a palavra “investigação” também não foi citada na reunião, ao contrário do que disse Moro em depoimento à PF.

“A preocupação minha sempre foi depois da facada, de forma bastante direcionada para a segurança minha e da minha família”, disse ele, quando questionado se citou a proteção de sua família ao abordar a mudança no comando da PF. “A Polícia Federal nunca investigou ninguém da minha família”, argumentou. 

À noite, no Twitter, o presidente voltou ao assunto e defendeu a divulgação de partes de vídeo ministerial pertinentes ao inquérito: “Qualquer parte do vídeo que seja pertinente ao inquérito, da minha parte, pode ser levado ao conhecimento público”. 

O presidente também afirmou que entregou a gravação para evitar comentários de que ele teria sumido com o vídeo, porque seria comprometedor. “Entreguei por dois motivos. Primeiro, porque acredito na verdade”, disse ele, sem citar o segundo motivo. “O vídeo é meu. O vídeo não é oficial, mas é meu”. Bolsonaro observou, ainda, que a gravação está “sob sigilo”, mas que a qualquer momento isso pode ser retirado.

Ainda de acordo com o presidente, a gravação poderia até ter sido destruída. “A fita deveria ser destruída (...) e poderia ter dito isso à Justiça. Mas jamais faria isso”, observou.

Bolsonaro voltou a minimizar o depoimento de Moro. “O depoimento do Moro, com todo respeito, quem leu e leu com isenção, viu que não tem acusação nenhuma. O do (Maurício) Valeixo, a mesma coisa. Esse vídeo agora é a última cartada midiática usando da falácia e da mentira para tentar achar que eu tentei interferir na PF.”

O presidente também negou ter pressionado Valeixo, ex-diretor-geral da Polícia Federal, para sair do cargo e disse que, desde o ano passado, o delegado estava “cansado” e queria sair. A dispensa de Valeixo foi o pivô do desentendimento entre Moro e o presidente e o fator que desencadeou a saída do ex-juiz da Lava Jato do governo.

Para aliados, falas de Bolsonado podem trazer complicações se forem ‘tiradas do contexto’ 

Após surgirem os primeiros relatos sobre o teor da reunião ministerial do dia 22 de abril, o tom dos comentários de ministros e outros aliados do presidente Jair Bolsonaro em grupos de WhatsApp mudou. Aqueles que antes se diziam tranquilos em relação à possibilidade de que o vídeo da reunião agregasse algo às denúncias feitas por Moro agora estão preocupados. Para alguns assessores, as falas do presidente durante a reunião sobre a troca do comando da Polícia Federal podem trazer complicações se forem “tiradas do contexto”.

Até a semana passada estes mesmos assessores diziam que o único risco da divulgação do vídeo era provocar uma crise entre os poderes devido à forma grosseira, com palavrões, com a qual participantes da reunião se referiram a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e parlamentares influentes.

Para eles, Moro tinha objetivo mais político do que jurídico ao falar do vídeo. A ordem é insistir na narrativa de que a preocupação de Bolsonaro, ao se referir à PF, era com a segurança de sua família e não com as investigações contra seus filhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.