Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bolsonaro diz que reajuste para PF pode ficar para 2023 se não houver entendimento entre categorias

Bolsonaro sempre deixou evidente que reserva de recursos de R$ 2 bilhões para aumento aos servidores, incluído no Orçamento deste ano, seria destinado a reajuste para policiais federais, rodoviários federais e agentes penitenciários

Bruno Luiz, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2022 | 22h17

Salvador - O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta sexta-feira, 11, que só haverá reajuste salarial para policiais federais neste ano se outras categorias de servidores que também reivindicam aumento abrirem mão do pleito.

“Se houver entendimento por parte dos demais servidores, alguns ameaçam greve, a gente pretende conceder essa recomposição aos policiais federais, rodoviários federais e agentes penitenciários. Se não houver entendimento, a gente lamenta e deixa para o ano que vem”, disse o presidente em entrevista à TV Brasil, ao justificar que a pandemia de Covid-19 deixou o governo federal sem recursos para estender o benefício aos demais integrantes do funcionalismo público.

Aprovado no final do ano passado pelo Congresso, o Orçamento deste ano incluiu na versão final uma reserva de recursos de R$ 2 bilhões para aumento aos servidores. Apesar de a verba não ser carimbada a nenhuma categoria em específico, Bolsonaro sempre deixou evidente, como fez na entrevista de hoje, que o valor seria destinado a reajuste para policiais federais, rodoviários federais e agentes penitenciários.

A seletividade gerou um efeito cascata em outras categorias, que também reivindicam correção de seus salários. Uma greve geral de funcionários não é descartada. O presidente também comentou a formalização do convite para que o Brasil inicie o processo de entrada na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

“O mercado acredita na gente, nossa política externa é muito boa. A entrada na OCDE é um carimbo de bom companheiro para negócios com o Brasil. Esse noivado vai demorar, em média, 4 anos. Em 2024, 25, devemos ter concretizada essa entrada na OCDE”, comemorou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.