Joédson Alves/EFE
Joédson Alves/EFE

Bolsonaro diz que querem reconduzir 'o criminoso à cena do crime' junto com Alckmin

Fala do presidente é feita no dia em que pesquisa divulgada pela Genial/Quaest mostrou que o ex-presidente Lula venceria no primeiro turno, se as eleições fossem hoje

Iander Porcella e Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2022 | 22h04

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro (PL) subiu o tom contra adversários e afirmou que "bandidos" e "canalhas" não podem voltar ao governo. No dia em que pesquisa divulgada pela Genial/Quaest mostrou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceria no primeiro turno, se as eleições fossem hoje, Bolsonaro usou uma cerimônia no Palácio do Planalto para mostrar seu inconformismo.

 "Querem reconduzir à cena do crime o criminoso, juntamente com Geraldo Alckmin? É isso que queremos para o nosso Brasil?", perguntou Bolsonaro, numa referência às articulações feitas pelo PT para que o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin seja vice na chapa encabeçada por Lula.

Em posição de ataque no Planalto, Bolsonaro repetiu que o PT "assaltou" a Petrobras. "Muitos de vocês, a maioria de vocês que trabalha comigo poderia estar muito bem fora [na iniciativa privada], mas estão (sic) aqui dando a sua cota de sacrifício, ajudando esse Brasil aqui a, realmente, vencer essa crise aqui, que se encontra no momento, e fazer também com que não volte para as mãos de bandidos, canalhas, que ocupavam esse espaço aqui para assaltar o País para um projeto de poder", declarou o presidente, ao lançar linhas de crédito para o setor de aquicultura e pesca.

Bolsonaro acusou o petista de já estar negociando cargos para um possível terceiro mandato. "Não tenho provas, mas vou falar. Como é que aquele cidadão [Lula] está conseguindo apoios, apesar de uma vida pregressa imunda? Loteando ministérios, para algum partido já ofereceu a Caixa Econômica", disse ele.

Na semana passada, durante transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro já havia afirmado que  parte da população queria conduzir o petista de volta à "cena do crime". 

Lula, por sua vez, criticou o governo nesta semana por causa da alta da inflação, que fechou o ano de 2021 em 10,06%. "É importante o povo saber que boa parte da inflação nesse País se deve aos preços controlados por um governo irresponsável", escreveu o ex-presidente no Twitter.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.