Evaristo Sá / AFP
Evaristo Sá / AFP

Bolsonaro diz que quer população de volta ao trabalho, mas quem decide são governadores e prefeitos

Declaração foi dada pelo presidente durante uma transmissão ao vivo da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF)

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

01 de maio de 2020 | 09h56

BRASÍLIA - Em um recado sobre o Dia do Trabalhador, comemorado nesta sexta-feira (1), o presidente Jair Bolsonaro disse que gostaria que a população voltasse a trabalhar, mas emendou que quem decide a questão, no entanto, são os governadores e prefeitos. A declaração foi dada durante uma transmissão ao vivo da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que entrou no Palácio da Alvorada nesta manhã com cerca de 20 pessoas. Segundo ela, são agricultores que vieram agradecer Bolsonaro por "todo esforço" em favor do agronegócio.

"Gostaria que todos voltassem a trabalhar, mas quem decide isso não sou eu, são governadores e prefeitos. Então, um bom dia a todos. O Brasil é um País maravilhoso, eu tenho certeza, com Deus acima de tudo, que brevemente voltaremos à normalidade", completou Bolsonaro.

No campo, segundo o que já disse a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, não houve paralisação do trabalho e, neste ano, os agricultores devem colher uma safra recorde do País.

O presidente trava uma batalha com governadores e prefeitos sobre as medidas de isolamento para conter a disseminação do novo coronavírus. Na quinta-feira, o presidente acusou os executivos locais de não "achatarem a curva" de contágio da covid-19. À noite, o ministro da Saúde, Nelson Teich, mudou completamente o tom sobre os planos de flexibilizar o isolamento e afirmou que o momento é impróprio, dado o avanço crescente de mortes e contaminações em todo o País.

Na live, o presidente voltou a agredir a imprensa, como tem feito reiteradamente. Pediu que ninguém mais chamasse a rede Globo de "lixo", porque "lixo é reciclável". "Não quero mais que ninguém chame a Globo de lixo, lixo é reciclável", disse sobre a emissora, alvo de críticas frequentes de Bolsonaro.

Durante sua breve participação - de cerca de um minuto - na live, Bolsonaro tossiu. Ontem, ele afirmou que "talvez" tenha sido contaminado pelo coronavírus no passado. "Eu talvez já tenha pegado esse vírus no passado, talvez, talvez, e nem senti", disse o presidente, em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre. A declaração foi dada enquanto Bolsonaro trava uma disputa judicial para não divulgar os resultados de seus exames. O Estado garantiu na Justiça Federal o direito de obter “os laudos de todos os exames” de novo coronavírus feitos pelo presidente.

Em vez de enviar os papéis, no entanto, a Advocacia-Geral da União encaminhou à Justiça um relatório médico de 18 de março no qual atesta que Bolsonaro se encontra “assintomático” e teve resultado negativo para os testes do novo coronavírus realizados no mês passado. Ontem, a juíza federal Ana Lúcia Petri Betto, responsável pelo caso, não aceitou o relatório e deu 48 horas para que os exames sejam entregues.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.