Bolsonaro diz que quadro ‘evoluiu’ e chance de cirurgia está ‘bastante afastada’

Com sonda gástrica, presidente se recupera de obstrução intestinal e concede entrevista em hospital ao lado do médico Antônio Luiz Macedo

Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 19h24

Internado em São Paulo após diagnóstico de obstrução intestinal, o presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta quinta-feira que seu quadro de saúde “evoluiu” e que a chance de ser submetido por uma cirurgia está “bastante afastada”. As declarações foram dadas ao lado do médico Antônio  Luiz Macedo, durante entrevista ao vivo, do quarto do hospital, concedida ao apresentador Sikêra Júnior.

“Cheguei aqui no dia de ontem (quarta-feira) com um indicativo muito forte de cirurgia, tendo em vista ter sido constatada a obstrução intestinal. De ontem para hoje (quinta) evoluiu bastante esse quadro, então a chance de cirurgia está bastante afastada”, disse Bolsonaro.

Macedo confirmou a informação, afirmando que a possibilidade de cirurgia está “afastada, uma vez que o intestino começou a funcionar”. O médico, no entanto, não mencionou qualquer previsão de alta.

Em um boletim divulgado ontem à noite, após a entrevista ter ido ao ar, a equipe médica informou que o presidente removeu a sonda nasogástrica, que faz a retirada do líquido retido no organismo. Os médicos dizem que Bolsonaro está “mantendo evolução clínica satisfatória”. O boletim informa ainda que a alimentação deve ser iniciada nesta sexta.

O presidente foi transferido para o hospital Vila Nova Star na noite de anteontem após passar um dia internado em Brasília. A decisão de levá-lo a São Paulo foi de Macedo, responsável por operá-lo em 2018 após a facada da qual foi vítima em compromisso de campanha na cidade de Juiz de Fora (MG). O presidente já passou por seis cirurgias em três anos – a maioria das intervenções foi relacionada ao ataque.

Nas últimas duas semanas, Bolsonaro vinha reclamando de soluços recorrentes. Chegou a atribuir o problema a remédios que tomava por causa de um implante dentário. “A obstrução intestinal, a obstrução do trânsito do intestino, é uma consequência habitual em pessoas submetidas a cirurgias dentro da cavidade abdominal”, afirmou o gastroenterologista José Augusto Messias, professor de clínica médica da UERJ. “As cicatrizes do procedimento podem formar aderências, bloqueando o fluxo do intestino.”

Durante a tarde, um pequeno grupo de apoiadores de Bolsonaro esteve em frente ao hospital. Outro manifestante, apoiador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, levantou um cartaz contra o atual presidente.

Histórico

Pouco tempo depois da posse, em 28 de janeiro de 2019, o presidente foi submetido a um procedimento para a retirada da bolsa de colostomia, colocada ainda na primeira cirurgia, no Albert Einstein. Em 8 de setembro do mesmo ano, no Hospital Vila Nova Star, foi realizada mais uma intervenção para a correção de uma hérnia surgida na cicatriz da facada.

Em 30 de janeiro do ano passado, no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, Bolsonaro fez uma vasectomia (a segunda) para esterilização. Alguns meses depois, em setembro, no dia 24, se internou novamente, agora no Albert Einstein, em São Paulo, para a retirada de um cálculo renal. Esses dois procedimentos não estão relacionados à facada.

Na última quarta-feira, também no Hospital das Forças Armadas, foi constatada a nova obstrução intestinal. “Na maioria das vezes, o tratamento para essas aderências (ou bridas) intestinais é clínico mesmo; até porque, quanto mais cirurgias forem feitas, maior a chance do surgimento de novas aderências”, disse Messias. 

“Em geral, com a retirada do líquido retido (procedimento ao qual o presidente já foi submetido), o problema se resolve sozinho”, afirmou o professor de clínica médica da UERJ. / GILBERTO AMENDOLA, PEDRO CARAMURU, TULIO KRUSE, ROBERTA JANSEN, PAULA FELIX e VICTOR SGUARIO, ESPECIAL PARA O ESTADÃO

Tudo o que sabemos sobre:
Antônio Luiz MacedoJair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.