Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro diz que novo PGR pode ser definido ainda hoje: 'Vou apanhar de qualquer jeito'

Presidente afirma que indicado deve ter numa das mãos a bandeira do Brasil e, na outra, a Constituição Federal

Mateus Vargas, Breno Pires, Daniel Weterman e Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2019 | 12h34

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 5, que "talvez decida hoje à tarde" o escolhido para comandar a Procuradoria-Geral da República pelos próximos dois anos. Acrescentou que "vai apanhar de qualquer maneira", qualquer que seja o indicado.

"Todos (os candidatos) que conversaram comigo levaram tiro. Mas vou pegar uma pessoa que entendo, como conversado, que ela tenha numa das mãos a bandeira do Brasil e, na outra, a Constituição Federal. Não podemos ter uma pessoa radical na questão ambiental, que aja de uma forma xiita. Não podemos ter uma pessoa que atrapalhe o ministro Tarcísio (Freitas, da Infraestrutura), quando quer rasgar uma estrada. Tem problemas que vem do Ministério Público", disse Bolsonaro, no Lançamento do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares, em Brasília.

A expectativa dos aliados do presidente Bolsonaro é que ele aponte o subprocurador-geral da República, Augusto Aras, para o cargo. Eles já tiveram uma série de encontros e, segundo uma fonte disse ao Estado, podem ter uma nova audiência ao longo do dia no Planalto. Esse possível encontro não é confirmado pela assessoria de imprensa da Presidência da República.

Nos bastidores, no entanto, ministros que auxiliam o presidente no processo de escolha afirmam que o martelo não está batido.

Esses ministros sustentam que não está descartada a recondução da atual procuradora-geral, Raquel Dodge, cujo mandato termina no dia 17. Nessa reta final, também há quem aposte no subprocurador-geral José Bonifácio de Andrada, que foi vice-procurador-geral da República na gestão de Rodrigo Janot. O procurador-regional da República Lauro Cardoso, embora seja o preferido de alguns ministros, não deve ser indicado porque ainda não atingiu o topo da  carreira. O governo foi advertido de que essa indicação poderia ser judicializada.

Sobre o perfil do futuro PGR, o presidente também disse ser importante "que tenha perfeita consciência que é poder com superpoderes, mas que, acima de tudo, tem de estar preocupado com desenvolvimento do Brasil". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.