Valter Campanato/Agência Brasil 3/2/2020
Valter Campanato/Agência Brasil 3/2/2020

Bolsonaro diz que qualquer ministro pode ser dispensado: 'Só não posso demitir o Mourão'

Presidente afirma ainda que chefe da Secom, investigado pela PF, 'continua mais firme do que nunca'

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2020 | 13h20

BRASÍLIA -  O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 5, não ter a intenção de demitir qualquer ministro de seu governo, mas ironizou que o único que está garantido no cargo é o vice-presidente Hamilton Mourão. "Nenhum ministro vive ao meu lado preocupado em ser demitido. Se tiver que ser, eu só não posso demitir o Mourão, o resto ali...", disse. Como foi eleito, o vice só sairia em caso de impeachment.

Nas últimas semanas, ao menos três auxiliares do presidente foram alvo de especulações sobre possível saída do governo  – os ministros da Casa Civil, Onyz Lorenzoni, o da Educação, Abraham Weintraub, e o secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten.

Sobre Onyx, que teve as funções esvaziadas e auxiliares demitidos durante suas férias, Bolsonaro disse que o ministro "sabe o que está fazendo". "Se tiver que mudar a Casa Civil ou qualquer ministério você vai saber na hora certa. Não vou partir para especulação", disse o presidente.

Bolsonaro também disse que Wajngarten "continua mais firme do que nunca" no cargo e minimizou a abertura de um inquérito da Polícia Federal, na terça-feira, 4, para investigá-lo.

A PF apura se ele usou a empresa de qual é sócio cotista e que, antes de entrar no governo, já atendia clientes que recebem recursos do governo, como emissoras de TV e agências de publicidade. Não há informação se ele adquiriu novos clientes ou aumentou o valor dos contratos após assumir o cargo público. "O Ministério Público pediu que ele fosse investigado. Não é criminoso, eu não vi nada que atente contra ele", afirmou o presidente.

Sobre a permanência do ministro da Educação após erros na divulgação de notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e críticas à gestão da pasta, Bolsonaro afirmou que "não tem que responder" esse tipo de pergunta. "Toda semana a imprensa demite um ou outro ministro", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.