Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Bolsonaro diz que Ministério das Comunicações deve ficar junto com Ciência e Tecnologia

Presidente eleito ainda afirmou que não haverá novas demarcações de terras indígenas e que acredita em apoio majoritário no Congresso

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2018 | 22h13

RIO - O presidente da República eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta segunda-feira, 5, que o Ministério das Comunicações deverá ficar junto com a pasta da Ciência e Tecnologia, que será comandada pelo astronauta Marcos Pontes. Bolsonaro também afirmou que o titular do Ministério das Relações Exteriores ainda não foi divulgado porque o convite ainda está em fase de "namoro".

Ao falar da necessidade de turbinar o agronegócio em seu governo, reafirmou que não haverá novas demarcações de terras indígenas e que o índio deve ser tratado como "um ser humano igual a nós (sic)". "Ele quer evoluir, quer médico, dentista, internet, carro, viajar de avião. Quando tem contato com a civilização, vai se moldando a outra maneira de viver, que é bem melhor que a dele. O índio não pode ser animal dentro do zoológico. Por que o índio não pode ter liberdade? Se quiser vender a terra, que venda, explore, venda. A Funai participa em laudos para dizer se existe vestígio de índio no terreno. Isso não pode continuar existindo no Brasil".

Sobre os dados que estão chegando a seu conhecimento no período de transição de governo, o presidente eleito disse ter ficado surpreso com a quantidade de petróleo que a Petrobrás exporta para a China e também com o número de funcionários não concursados na empresa.

Bolsonaro declarou, ainda, que acredita que terá apoio no Congresso. Afirmou que "95% dos parlamentares conversam" com ele. "Estou confiando no convencimento para conseguir os votos necessários para dias melhores para todos nós. Está chato viver no Brasil". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.