Marcos Correa/PR
Marcos Correa/PR

Bolsonaro diz que homenagem em Manaus prova ‘trabalho bem feito’ de Pazuello

Presidente sai em defesa de ex-ministro da Saúde em transmissão nas redes socais; caos no sistema de saúde do Amazonas foi estopim para criação de CPI da Covid

Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 21h38

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello nesta quinta-feira, 22. Em transmissão ao vivo pelas redes sociais, o chefe do Executivo disse que o trabalho do seu ex-auxiliar “foi muito bem feito” em Manaus (AM), onde o sistema de saúde entrou em colapso por falta de oxigênio para pacientes com a covid-19, em janeiro.

Para elogiar Pazuello, Bolsonaro usou como referência o título de cidadão manauara que ele mesmo deverá receber nesta sexta-feira, 23, na capital do Amazonas.

“É sinal que o nosso trabalho em Manaus, o meu trabalho, e o do Pazuello como ministro da Saúde, foi muito bem feito naquela região. Lamentamos a crise que teve lá, mortes, a coisa que chocou a todos nós, mas, infelizmente, foi uma coisa que ninguém esperava”, disse. A homenagem foi proposta pelo deputado estadual Delegado Péricles (PSL) e aprovada pela maioria da Assembleia Legislativa do Amazonas.

O caos no sistema público de saúde do Amazonas foi o estopim para a criação da CPI da Covid, que será instalada no Senado na próxima terça-feira, 27. A eventual responsabilidade de Pazuello na crise é uma das frentes de apuração no colegiado, onde o governo não tem maioria.

Substituído pelo médico Marcelo Queiroga no ministério, Pazuello é um dos alvos da CPI e a convocação dele para questionamentos é dada como certa. O governo tem trabalhado para proteger o general, que deve ganhar uma secretaria no Palácio do Planalto.

Os senadores também têm mãos um duro relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que apontou uma série de omissões graves de Pazuello no comando da pasta. O documento apontou que o ministério evitou assumir a liderança do combate à covid-19 e abriu mão de responsabilidades. “O governo brasileiro fez sua parte (na crise de Manaus)”, declarou Bolsonaro na transmissão ao vivo.

Como mostrou o Estadão, além do general Pazuello, militares levados por ele para postos importantes da pasta também estão na mira da CPI. A pressão preocupa o Planalto em razão do risco de recair sobre militares o rótulo de ineficiência e incompetência no enfrentamento à pandemia.

O atual ministro da Defesa, general Braga Netto, também está na mira da CPI. Como chefe da Casa Civil, Braga Netto coordenava o comitê de crise do governo que, na avaliação de técnicos do TCU, foi omisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.