Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz que está se ‘aproximando cada vez mais das autoridades do Judiciário’

Declaração foi dada na Bahia pouco antes de o ministro Celso de Mello, STF, divulgar decisão que o obriga a prestar depoimento pessoalmente no inquérito que investiga se houve interferência indevida na PF

Julia Lindner e Ivana Dias, especial para o ‘Estadão’, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2020 | 12h43
Atualizado 11 de setembro de 2020 | 16h34

BRASÍLIA  E SÃO DESIDÉRIO (BA) – Após duas visitas ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta semana, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo federal está “se aproximando cada vez mais das autoridades do Judiciário”. Bolsonaro falou sobre o assunto na manhã desta sexta-feira, 11, durante visita à Bahia, para a qual viajou acompanhado de três parlamentares do Estado. Segundo ele, isso demonstra uma “perfeita sintonia entre o Executivo e boa parte do Legislativo”.

A declaração foi dada pouco antes de o ministro Celso de Mello divulgar a decisão que o obriga a prestar depoimento pessoalmente no inquérito que investiga se houve interferência indevida na Polícia Federal. A investigação foi aberta após acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sérgio Moro

“Aos poucos, estamos nos aproximando cada vez mais das autoridades do Judiciário. Lá dentro do Tribunal de Contas da União, o Tarcísio (de Freitas, ministro da Infraestrutura) conseguiu, com a sua maneira peculiar de trabalhar, levando sempre a verdade e os interesses nacionais acima de tudo, desencravar a malha paulista”, disse Bolsonaro durante o evento.

Na quarta-feira, na sessão de despedida do ministro Dias Toffoli do comando do Supremo, Bolsonaro falou sobre a importância da “a harmonia, o diálogo, o entendimento em momentos difíceis”. Além disso, chamou o STF de "verdadeiro santuário para a Justiça brasileira"  e colocou o governo à disposição da Corte.

Bolsonaro visitou o Lote 07 da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), em São Desidério, no Oeste da Bahia, onde presenciou a assinatura do Termo de Execução de Serviço (TED), entre a Valec e o Exército para a continuidade da obra no Lote 06.  O presidente chegou de helicóptero e acompanhado de sua comitiva. Sem máscara de proteção contra a covid-19,  Bolsonaro também não seguiu os protocolos de distanciamento social: tirou fotos com militares e seguidores presentes.

“Se lá atrás, com Juscelino (Kubitschek), houve investimento massivo nas rodovias porque o petróleo era barato, depois da crise do petróleo, mudou, mas pouca gente pensou em investir em ferrovias. Nós optamos, antes de investir em ferrovia e rodovia, em terminar as obras já começadas e isso demonstra que temos zelo pelo recurso público e que estamos investindo em algo bom para o nosso Brasil”, afirmou Bolsonaro em discurso. “Essa grande obra que esta sendo concluída aqui, nos interligando com os outros lugares do Brasil, é nosso compromisso com a nossa nação”. 

Na comitiva de Bolsonaro na Bahia, estavam os deputados José Rocha (PL-BA), João Roma (Republicanos-BA) e Dr. João (PROS-BA). Eles foram ao Estado para visitar as obras da Ferrovia de Integração Oeste-Leste, na cidade de São Desidério. O presidente também viajou acompanhado dos ministros Tarcísio e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo).

Segundo Bolsonaro, esta e outras obras em andamento em diferentes regiões do País demonstram que a capacidade do ministro Tarcísio em negociar é “enorme”. “Temos um grande compromisso com a nação, que é fazer com que as obras aconteçam com menos recurso ou muitas vezes com criatividade.”

Pandemia

No momento em que o Brasil chega a cerca de 130 mil mortos pelo novo coronavírus, Bolsonaro voltou a dizer que “estamos praticamente vencendo a pandemia”. Ele também afirmou que o governo “fez tudo” para que os efeitos negativos fossem minimizados.

Enquanto o Brasil ocupa o segundo lugar em número de mortes no mundo, Bolsonaro declarou que o País tem sido reconhecido no exterior como um dos que “menos sofreu com a pandemia dadas as medidas tomadas pelo governo federal”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.