Evaristo Sá/AFP - 18/4/2022
Evaristo Sá/AFP - 18/4/2022

Bolsonaro diz que comando do Exército 'marcou a história' em 2016, ano do impeachment de Dilma

Em cerimônia pelo Dia do Exército, presidente não deixou claro a que episódio se referia e afirmou que as Forças Armadas 'sabem o que é melhor' para o Brasil

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2022 | 11h51

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou nesta terça-feira,19, que o comando do Exército marcou a história do Brasil em 2016, ano do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele não explicou exatamente a que episódio se referia. Mas à época, o então vice-presidente Michel Temer (MDB) chegou a procurar o então comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, antes de assumir o governo com a cassação da petista.

O general Eduardo Villas Bôas é cumprimentado pelo presidente Jair Bolsonaro em cerimônia nesta terça, 19, em Brasília. Foto: Adriano Machado/ReutersO presidente Jair Bolsonaro cumprimenta o general Villas Bôas em cerimônia em Brasília, nesta terça-feira, 19. Foto: Adriano Machado/Reuters

“Em 2016, em mais outro momento difícil da nossa Nação, a participação do então comandante do Exército, Villas Bôas, marcou a nossa história”, disse o presidente na cerimônia para marcar o Dia do Exército. Também compareceram à solenidade o vice-presidente Hamilton Mourão e os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux.

Villas Bôas foi um comandante do Exército com bastante trânsito no mundo político e ganhou holofotes ao fazer um tuíte, em 2018, interpretado como ameaça velada ao STF na véspera de julgamento de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Corte. "Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais", publicou o general à época. 

As Forças Armadas, disse Bolsonaro, “estão presentes”, “sabem o que é melhor” para o País e têm compromisso em honrar a Constituição. “Quando se fala em Exército brasileiro, vem à nossa mente que, em todos os momentos difíceis que a nossa Nação atravessou, as Forças Armadas, o nosso Exército sempre esteve presente. Assim foi em 22, em 35, em 64, em 86 com a transição, onde (sic) a participação ativa do então ministro do Exército Leônidas Gonçalves, a transição foi feita com os militares, não contra os militares”, afirmou o presidente, em referência ao golpe militar de 1964, que mergulhou o Brasil em 21 anos de ditadura, e à transição para a democracia.

Cerimônia do Dia do Exército nesta terça, 19, na capital federal. Foto: Isac Nóbrega/PRCerimônia do Dia do Exército nesta terça, 19, na capital federal. Foto: Isac Nóbrega/PR

 

Críticas ao sistema eleitoral

Bolsonaro ainda aproveitou o discurso para voltar a colocar em dúvida, e sem apresentar provas, a lisura do sistema eleitoral brasileiro, mas disse ter certeza de que a votação vai cumprir “seu ritmo normal”. “Não podemos jamais ter eleições no Brasil que sobre elas pairem o manto da suspeição. Esse compromisso é de todos nós, presidentes dos Poderes e comandantes de Forças”, discursou. “A alma da democracia repousa na tranquilidade e na transparência do sistema eleitoral.”

Em seguida, Bolsonaro cumprimentou o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), por ter convidado as Forças Armadas a acompanharem o processo eleitoral junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O presidente costuma criticar o magistrado.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.