Natália Santos/Estadão
Natália Santos/Estadão

Bolsonaro diz que Brasil ‘não mergulhará em aventura’ ao defender ‘isenção’ em guerra na Ucrânia

Presidente participa de motociata em São José dos Campos antes de participar de evento que formaliza a concessão das rodovias Dutra e Rio Santos; durante discuso, Bolsonaro destaca que o Brasil 'respeita liberdade de todos'

Eduardo Gayer e Natália Santos, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2022 | 14h17

BRASÍLIA E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a defender a posição de suposta isenção adotada pelo Brasil na guerra entre Rússia e Ucrânia e destacou que o País “não mergulhará em aventura”.

“Temos um problema a 10 mil quilômetros daqui. Nossa responsabilidade, em primeiro lugar, é com o bem estar do nosso povo. Nossa postura tem mostrado para o mundo como estamos agindo neste episódio. Estamos conectados com o mundo todo, e o equilíbrio, isenção e respeito a todos se faz valer pelo chefe do Executivo. O Brasil não mergulhará em uma aventura”, declarou o presidente em evento para marcar o novo contrato de concessão das rodovias Dutra e Rio Santos, conquistados pela CCR, em São José dos Campos. 

“O Brasil tem seu caminho, respeita liberdade de todos, faz tudo pela paz, mas em primeiro lugar temos que dar exemplo para isso", acrescentou. 

Bolsonaro tem sido criticado por posições consideradas pouco firmes sobre a guerra e por ter visitado o presidente da Rússia, Vladimir Putin, uma semana antes do início do conflito armado. 

Ainda assim, o Brasil votou por condenar a invasão russa na sessão extraordinária da Assembleia-Geral das Nações Unidas. Ontem, em transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente disse o “equilíbrio” é a posição mais sensata neste momento.

No discurso em São José dos Campos, Bolsonaro ainda voltou a dizer que o governo acertou na condução da pandemia de covid-19. “Salvamos a economia e muitas vidas”, disse o presidente. “Entregarei amanhã, um amanhã bem distante, um Brasil muito melhor do que recebi.” 

Eleições 2022

O evento desta sexta acabou por se tornar palanque eleitoral para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, pré-candidato ao governo de São Paulo, e para o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, que vai se lançar a deputado federal pelo Estado. 

Tarcísio foi recebido na solenidade com fortes aplausos e, durante seu discurso, destacou obras da pasta que comanda, como rodovias e ferrovias. “A gente tem se acostumado no governo Bolsonaro a grandes entregas”, disse o ministro, que chegou ao local na garupa de uma motocicleta conduzida pelo presidente, cercado por mais de uma centena de apoiadores reunidos numa motociata.

O ministro, aliás, destacou que os motociclistas, importante base eleitoral do bolsonarismo, serão isentos de pedágio nas rodovias da nova concessão. “A iniciativa privada ouviu nosso chamado e acreditou no nosso projeto. Tivemos como resultado uma empresa de altíssimo nível na licitação. A empresa não vai decepcionar vocês e vai fazer o investimento”, afirmou Tarcísio.

Pouco antes do titular da Infraestrutura, quem discursou - mas sob vaias dos bolsonaristas presentes - foi o prefeito de São José dos Campos, Felício Ramuth, pré-candidato ao governo estadual pelo PSD de Gilberto Kassab. 

Bolsonaro elogiou o trabalho de Tarcísio. “Mais uma entrega do Ministério da Infraestrutura, do meu amigo capitão Tarcísio de Freitas. Um homem mais do que competente, um homem que tem compromisso com o bem estar de vocês”, disse o chefe do Executivo, principal fiador da pré-candidatura de Tarcísio, que acaba de migrar seu domicílio eleitoral de Brasília justamente para São José dos Campos. 

O presidente ainda fez afagos a Salles, que teve uma gestão criticada por especialistas quando era titular da Esplanada, e citou, sem se estender, que o Brasil terá um “ano difícil pela frente”. “Nosso eterno Ricardo Salles, homem que no Ministério do Meio Ambiente soube muito bem se comportar e saber do seu casamento com o Ministério da Agricultura”, declarou. Seguindo o ex-chefe, Salles se filiou ao PL para a corrida eleitoral.   

Os deputados federais Eduardo Bolsonaro (União Brasil - SP), filho Zero Três do presidente, e Carla Zambelli (União Brasil-SP) igualmente marcaram presença no evento, além do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, general que foi para reserva para se candidatar a deputado federal pelo Rio de Janeiro nas eleições deste ano. Sua "aposentadoria" foi oficializada em publicação do Diário Oficial da União nesta sexta. 

Na solenidade, o CEO da CCR, Marco Antonio Souza Cauduro, afirmou que a empresa vai investir R$ 15 bilhões em inovações nas estradas. “A necessidade de transformação da infraestrutura no Brasil é gigante. Nossa companhia se apresenta com protagonismo para colaborar com essa agenda de transformação”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.