Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz a apoiadores que, enquanto for presidente, ‘não haverá aborto’

Padre polonês e um grupo de crianças cantaram e entregaram miniaturas de fetos ao presidente na frente do Alvorada

Emilly Behnke e Gabriela Biló, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 10h24

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 23, que, enquanto for presidente, “não haverá aborto”, em referência a uma eventual mudança na legislação para legalizar a prática. A declaração foi feita a um grupo de crianças que o aguardava em frente ao Palácio do Alvorada, coordenadas pelo padre polonês Pedro Stepien, ativista antiaborto que costuma marcar presença no local de batina e crucifixo.

Ao descer do carro para falar com apoiadores pela manhã, Bolsonaro foi recebido pelo coral infantil, que cantou uma música religiosa. Ao final, as crianças fizeram um pedido: “Senhor presidente, temos um pedido para o senhor, não queremos aborto”.

“Enquanto eu for presidente, não haverá (aborto)“, respondeu Bolsonaro. O presidente recebeu das crianças miniaturas de fetos e, após ouvir mais uma música religiosa contra o aborto, respondeu: “Muito bom começar o dia assim”.

Sepien, que é pároco na região de Brasília e apoiador de Bolsonaro, defende regras mais duras contra o aborto, inclusive a proibição de casos já legalizados, como anencefalia. Uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pede a descriminalização da prática em caso de infecção por zika vírus.  O pedido foi apresentado em 2016 pela Associação Nacional de Defensores Públicos (Anadep). A ação foi incluída e retirada de pauta duas vezes no ano passado após pressão de movimentos pró-vida.

“Hoje pela manhã, fomos mais uma vez pedir às autoridades governamentais o fim do ativismo judiciário (STF NÃO LEGISLA, não determina as leis de um país, não decide quem pode viver). Buscamos incansavelmente o fim ao aborto por meio da oração e do jejum, com uma vigília pacífica”, publicou o padre em uma rede social após o encontro com o presidente.

Antes de seguir para o Planalto, o presidente também aceitou uma escultura de metal presenteada por um apoiador. A exemplo do que tem feito desde que a crise envolvendo a pandemia de coronavírus se acirrou, Bolsonaro evitou falar com jornalistas.

No último sábado, 18, Bolsonaro desceu a rampa do Palácio do Planalto e conversou com um grupo que protestava contra o aborto. Na ocasião, ele também recebeu miniaturas de plástico representando fetos, além de um quadro de Jesus e uma bandeira que dizia “Brasil Vivo Sem Aborto” e os levantou no ar.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroaborto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.