Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Boicote faz Bolsonaro cancelar viagem a Nova York

Homenagem ao presidente brasileiro sofreu resistência nos Estados Unidos

Julia Lindner e Beatriz Bulla, correspondente, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2019 | 19h45
Atualizado 03 de maio de 2019 | 22h51

BRASÍLIA E WASHINGTON – O presidente Jair Bolsonaro desistiu de viajar a Nova York para receber o prêmio Pessoa do Ano, organizado pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. O motivo do cancelamento foi a repercussão negativa da presença do presidente no evento, previsto para o próximo dia 14.

Em nota, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, admitiu que Bolsonaro cancelou a ida aos Estados Unidos por causa dos protestos de diversos grupos e do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, que chegou a chamar Bolsonaro de “ser humano perigoso”.

“Em face da resistência e dos ataques deliberados do prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade”, disse.

Ainda de acordo com o porta-voz, diversos setores do governo foram consultados antes da tomada de decisão. “O presidente decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami”, informou.

A homenagem ao presidente foi alvo de resistências nos EUA. A Câmara de Comércio teve dificuldade em conseguir um lugar para realizar o evento. Primeiro, o Museu de História Natural de Nova York se recusou a ser sede. Por fim, havia reservado um espaço em um hotel da rede Marriott, próximo à Times Square. 

Ao longo da semana, ativistas de direitos LGBTQ e ligados às minorias passaram a pressionar empresas que patrocinam o evento a boicotar a premiação. Algumas empresas, como a companhia aérea Delta e a consultoria Brain & Company, decidiram deixar de patrocinar o evento. Uma nova manifestação é preparada para acontecer no dia do evento.

Em nota, a Câmara afirmou que soube pelo escritório do presidente da República que Bolsonaro não estará presente no evento, mas disse que o jantar de gala “será realizado conforme o programado.” 

Veja a nota na íntegra do porta-voz da Presidência

O Presidente da República agradece a homenagem proposta pela Câmara de Comércio Brasil-EUA, ao escolhê-lo “Personalidade do Ano de 2019”.

Entretanto, em face da resistência e dos ataques deliberados do Prefeito de Nova York e da pressão de grupos de interesses sobre as instituições que organizam, patrocinam e acolhem em suas instalações o evento anualmente, ficou caracterizada a ideologização da atividade.

Em função disso, e consultados vários setores do governo, o Presidente Bolsonaro decidiu pelo cancelamento da ida a essa cerimônia e da agenda prevista para Miami. 

Otávio Santana do Rêgo Barros

Porta Voz da Presidência da República

Veja a nota na íntegra da Câmara do Comércio

“A Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos soube através do escritório do Presidente da República do Brasil que o Presidente Jair Bolsonaro, homenageado com o Pessoa do Ano 2019, não estará presente no Jantar de Gala em 14 de maio. A Câmara afirma que o Jantar de Gala será realizado conforme o programado, incluindo a apresentação do Programa de Bolsas de Estudo Pessoa do Ano de 2019, e as premiações a importantes colaboradores para a Responsabilidade Social e Inovação Digital.

Outros eventos paralelos programados durante a semana serão realizados conforme o planejado. A Câmara fornecerá mais atualizações quando estiverem disponíveis.”

Mais conteúdo sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.