José Cruz/Agência Brasil -26/3/2019
José Cruz/Agência Brasil -26/3/2019

Bolsonaro defende que Estados e municípios assumam encargos trabalhistas de empresas fechadas

Presidente também mencionou notícia de que o governo do Distrito Federal determinou reabertura do comércio; Ibaneis Rocha disse que informação é falsa

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 10h34

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro reforçou a pressão sobre os governadores que resistem em flexibilizar medidas de isolamento adotadas para o enfrentamento do novo coronavírus. Na manhã desta sexta-feira, 26, Bolsonaro deu uma declaração controversa de que os Estados e municípios podem ser responsabilizados por encargos trabalhistas de estabelecimentos obrigados a fechar.

"Tem um artigo na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que diz que todo empresário, comerciante, etc, que for obrigado a fechar o seu estabelecimento por decisão do respectivo chefe do Executivo, os encargos trabalhistas quem paga é o governador e o prefeito, tá ok? Fecharam tudo. Era uma competição de quem ia faturar mais", disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada. 

O presidente também afirmou ter tido conhecimento de que o governador Ibaneis Rocha (DF) vai romper medidas de isolamento e reabrir as atividades econômicas a partir da próxima segunda-feira, 30. Ibaneis, no entanto, afirma que a informação não procede.

"Eu li uma notícia que dizia que o Ibaneis vai abrir tudo segunda-feira, é isso? Olha a minha cara de tristeza aqui", disse Bolsonaro, rindo. De acordo com o presidente, ele leu sobre o assunto na imprensa, mas não há notícias sobre o tema. No WhatsApp, circula um link falso que afirma que o governador seguirá posição do presidente e vai reabrir as escolas e o comércio.

"Continuo firme cuidando do meu povo e contando com o apoio do governo federal", garantiu Ibaneis ao Broadcast/Estadão. "O que tenho dito desde o início é que estamos analisando a todos os momentos as curvas de infecção e seguindo as orientações dos especialistas. No momento não existe nenhum indicativo que chegamos ao pico da infecção", emendou.

O governador, que já foi advogado trabalhista no passado, disse que desconhece a legislação citada por Bolsonaro para passar encargos trabalhistas aos Estados e ao DF. "Conheço bem de leis, mas esse aí eu não li em lugar nenhum", declarou. "Isso não me preocupa. Eu conheço e confio na Justiça."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.