Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

Bolsonaro condecora premiê de Israel com homenagem dada a Che Guevara

Honraria é atribuída a personalidades estrangeiras 'dignas de reconhecimento brasileiro'

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2019 | 09h42

O presidente Jair Bolsonaro condecorou o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, no grau de Grã-Cruz. O decreto com a homenagem está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira. Segundo o Itamaraty, a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul é uma comenda que o presidente do Brasil atribui a personalidades estrangeiras "que se tenham tornado dignas do reconhecimento da nação brasileira".

Já receberam a mesma homenagem do Brasil nomes como o revolucionário argentino-cubano Ernesto Che Guevara, o político peruano Alberto Fujimori, o cosmonauta Yuri Gagarin, a Rainha Elizabeth e o ex-piloto de Fórmula 1 Alain Prost.

Na campanha eleitoral, Bolsonaro prometeu transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, o que aproximou os dois líderes, embora a decisão seja controversa e tenha desagradado países árabes. Com a mudança, o Brasil estará admitindo que a capital de Israel é Jerusalém, passando por cima da posição reivindicada pela Palestina e o reconhecimento dos dois Estados deliberado pela ONU.

Bolsonaro e Netanyahu também já manifestaram a intenção de intensificar e ampliar parcerias entre Brasil e Israel. Netanyahu veio ao País no fim de dezembro e ficou para a posse de Bolsonaro, em uma primeira visita oficial de um primeiro-ministro israelense ao Brasil.

Ao final da visita de Netanyahu no Rio de Janeiro, dias antes da posse, Bolsonaro disse que Brasil e Israel, mais do que parceiros, são "irmãos no futuro, na economia, em tecnologia, em tudo aquilo que possa trazer benefícios para os dois países". Netanyahu agradeceu pela "gentilíssima recepção". "Israel é a terra prometida. E o Brasil é terra da promessa (para o futuro)", afirmou o premiê na ocasião.

O primeiro-ministro destacou que a cooperação entre os dois países poderá trazer "benefícios tremendos aos nossos dois povos, na economia, no emprego, na segurança, na agricultura, recursos hídricos, na indústria".

Netanyahu disse que convidou o presidente Bolsonaro para visitar Israel, e o convite foi aceito. "Ele será bem-vindo como um grande amigo, um grande aliado, um irmão", disse. Bolsonaro planeja visitar Israel até março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.