Foto AP / Eraldo Peres
Foto AP / Eraldo Peres

Bolsonaro concede Medalha Oswaldo Cruz a Ciro Nogueira, Damares e Marcos Pontes

Ao todo, ao menos 15 ministros do governo já receberam a honraria destinada a reconhecer esforços relacionados com a higiene e a saúde pública, que tenham contribuído para o bem-estar físico e mental da população

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2021 | 11h07

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro decidiu condecorar mais três ministros com a Medalha de Mérito Oswaldo Cruz, incluindo o recém-empossado chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. Criada nos anos 1970, a honraria se destina a reconhecer esforços de autoridades e personalidades que, no âmbito das atividades científicas, educacionais, culturais e administrativas relacionadas com a higiene e a saúde pública, tenham contribuído, direta ou indiretamente, para o bem-estar físico e mental da população.

Nenhum médico ou cientista com atuação na linha de frente no combate à pandemia de covid-19 foi lembrado no grupo. A concessão da medalha é feita por decreto do Poder Executivo, mediante proposta do Ministério da Saúde.

Decretos publicados no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira, 5, destinam a honraria ainda a Marcos Pontes, da Ciência, Tecnologia e Inovações, e a Damares Alves, da pasta da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. No fim de julho, o presidente já havia assinado atos para homenagear com a medalha outros 24 aliados e pessoas próximas, como a mulher, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

A entrega da insígnia será feita pelo presidente em uma solenidade no Palácio do Planalto na tarde deste 5 de agosto, data de nascimento do médico e cientista brasileiro Oswaldo Cruz, fundador do instituto que levou seu nome e que hoje se tornou a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Além de ministros, a primeira-dama e outros membros do governo, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também estão na lista de agraciados com a Medalha Oswaldo Cruz.

Médico pessoal. O médico do presidente, Ricardo Peixoto Camarinha, também recebeu uma condecoração publicada no Diário Oficial. Cardiologista e assessor especial do gabinete pessoal de Bolsonaro, Camarinha vai receber uma outra honraria, a Medalha de Ordem do Mérito Médico, que foi criada em 1950 como um reconhecimento notável aos profissionais pelo exercício da profissão, pelo magistério da Medicina ou pela autoria de obras relevantes para estudos médicos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.