Dida Sampaio / Estadão
Dida Sampaio / Estadão

Bolsonaro compartilha vídeo que pede fim do isolamento e traz críticas a Mandetta e Doria

Na publicação, jornalista cita um 'show mórbido' e destaca que não existem 'mapas' comprovando o efeito mitigador do distanciamento social na prevenção ao coronavírus

Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2020 | 11h26

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro compartilhou nesta quarta-feira, nas redes sociais, vídeo com ataques a medidas de isolamento social adotadas no combate à pandemia da covid-19. Bolsonaro destacou o título do vídeo "Os sócios da paralisia", publicado originalmente pelo jornalista Guilherme Fiuza, em que é apresentada uma série de críticas ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

No vídeo, Fiuza cita um "show mórbido" e destaca que não existem "mapas" comprovando o efeito mitigador do distanciamento social na prevenção ao novo coronavírus.

"Você está em casa assistindo o governador de São Paulo assumir a paternidade da cloroquina, o ministro da Saúde explicar que traficante também é gente, jornais estrangeiros publicar fotos de covas abertas para dizer que o Brasil não tem mais onde enterrar seus mortos, entre outras referências intrigantes e estridentes sobre o assunto. Se você está paralisado e catatônico é porque já sabe que isso é um show mórbido", afirma Fiuza no início do vídeo.

A referência a Mandetta é uma declaração do ministro, na semana passada, de que para proteger a população que vive em favelas dominadas por criminosas será preciso dialogar. “Como se entra no morro em guerra para retirar uma senhora com sintomas? Saúde não é polícia”, disse Mandetta ao Estado na semana passada.

No vídeo compartilhado por Bolsonaro, o jornalista cita ainda os impactos econômicos do isolamento, com o fechamento de pequenas empresas e previsão de queda 4% no Produto Interno Bruto (PIB) no Brasil.

As recomendações de isolamento são o principal impasse entre Bolsonaro e Mandetta, que está com o cargo ameaçado desde a semana passada.  O ministro já avisou a equipe que deve ser demitido. O presidente defende a retomada da atividades econômicas acompanhada de um isolamento seletivo, voltado apenas para grupos de risco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.